Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

"Pokémon Go" e seus perigos reais - que vão de assaltos a pedofilia

Gelsomino Del Guercio - Aleteia Brasil - publicado em 19/07/16

Geolocalização e realidade aumentada estão facilitando as coisas para os criminosos

O aplicativo Pokémon Go, que se tornou a febre mundial da vez, é um jogo para smartphones em que cada jogador deve vagar pelo mundo tentando capturar criaturas fictícias chamadas Pokémon – o termo vem do inglês “pocket monster“, que significa “monstro de bolso”.

O diferencial é que o mundo por onde os jogadores vagam é o seu próprio entorno real: mediante recursos do celular como a câmera e o GPS, o aplicativo tem acesso a informações reais sobre a localização de cada usuário e, com base nelas, adiciona “realidade aumentada” ao jogo. Assim, aparecem na tela os arredores verdadeiros do jogador, captados pela câmera e mapeados pelo GPS, e o aplicativo sobrepõe ao cenário os tais monstrinhos virtuais, que devem ser perseguidos. O jogador, portanto, precisa se locomover fisicamente para capturá-los.

Desbancando até a pornografia

As proporções desta febre podem ser medidas por um fato peculiar: um dos maiores sites de pornografia do mundo felicitou a Nintendo, criadora do game, porque a busca dos termos “Pokémon Go” na internet superou até mesmo a busca de pornografia, que costuma ser a tristemente significativa campeã.

Imbecilização

O grau de alienação e imbecilização promovido por mais essa válvula de escape da vida real chegou a ponto de que o próprio aplicativo tivesse de recomendar aos seus usuários que não jogassem enquanto dirigem – é que um homem bateu com seu carro numa árvore porque, ao volante, estava perseguindo um Pokémon.

Outro dado surreal: o exército israelense se viu forçado a banir o aplicativo entre seus militares temendo o vazamento de informações confidenciais, precisamente porque o jogo capta os dados reais do aparelho de seus usuários.

Assaltos

Um novo chamado aos pés na terra veio da polícia de O’Fallon, Missouri, nos Estados Unidos, onde um grupo de adolescentes foi preso sob a acusação de cometer uma série de assaltos contra jogadores do Pokémon Go atraídos durante a noite até lugares ermos. Teriam sido cerca de 11 assaltos a mão armada – e a gangue é formada por adolescentes de 16 a 18 anos. De acordo com as autoridades, o grupo se posicionava perto de um “PokéStop” indicado pelo jogo e só precisava ficar aguardando a chegada dos próximos jogadores que viessem à procura de um Pokémon.

Esses quatro jovens criminosos foram pegos, mas o alerta agora é de que a ampla divulgação da notícia pode criar uma onda de crimes semelhantes.

Risco de pedofilia

O perigo vai além dos assaltos. A realidade aumentada e a geolocalização, que são cruciais para o jogo, podem expor os usuários também ao abuso sexual. “No mundo virtual, infelizmente, as diferenças de idade são anuladas, tornando os menores muito suscetíveis a adultos mal-intencionados”, alerta Ernesto Caffo, professor de neuropsiquiatria infantil na Universidade de Modena, Itália, e presidente da associação italiana Telefono Azzurro, de proteção a crianças.

Autoridades muçulmanas condenam o jogo

Abbas Shouman, assistente do imã de Al Azhar, a máxima autoridade do mundo islâmico sunita, declarou que este jogo, “assim como o álcool, influencia a mente de forma negativa e afeta o jogador e quem está no seu entorno sem que eles sequer se deem conta”.

Aplicativo anticristão e satanista?

No meio do alarde em torno ao jogo, espalhou-se pela rede uma falsa entrevista com seu criador, Satoshi Tajiri. Segundo as declarações atribuídas a ele, o aplicativo teria sido criado para os satanistas e como vingança contra a educação cristã recebida dos pais. Tajiri ainda teria vociferado fortemente contra o cristianismo e declarado que o Pokémon é a verdadeira resposta para os porquês da vida.

Essa entrevista nunca existiu: aliás, é muito difícil conseguir quaisquer declarações do criador do jogo. No entanto, a falsidade desses boatos sensacionalistas não apaga os perigos muito reais que essa nova febre de alienação proporciona aos seus, digamos, “possuídos”.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Vícios
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia