Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Anticorpo oferece pista de remédio para esclerose múltipla

© Otna YDUR / SHUTTERSTOCK.com
Compartilhar

Um anticorpo com potencial efeito terapêutico contra a esclerose múltipla, causa mais frequente da incapacitação neurológica em adultos jovens, oferece perspectivas de um novo medicamento para lutar contra a doença – segundo pesquisadores do Inserm, cujo estudo aparece na revista Brain publicada nesta quarta-feira (20).

Os pesquisadores desenvolveram esse anticorpo, que foi testado em ratos, e esperam passar, em breve, aos primeiros testes clínicos em humanos.

Afetando o cérebro e a medula espinhal, a esclerose múltipla é considerada uma doença autoimune, já que o sistema imunológico ataca seus próprios elementos.

As células imunológicas – em especial os linfócitos – deflagram a destruição da bainha de mielina que envelopa e protege os prolongamentos (axônios) dos neurônios, perturbando, assim, a transmissão do influxo nervoso.

As lesões sob a forma de “placas” se espalham pelo cérebro e pela medula espinhal. Elas provocam sintomas que variam muito de pessoa para pessoa. A doença atinge uma média de uma pessoa em cada mil.

O mais frequente é que a doença se manifeste por surtos, com a aparição de problemas motores, sensitivos e cognitivos, que voltam em algumas semanas. Ao longo dos anos, porém, esses sintomas podem evoluir para um dano irreversível.

Os tratamentos atuais reduzem os surtos e melhoram a qualidade de vida dos pacientes, mas não lutam contra o avanço da doença.

Para que as células do sistema imunológico que circulam no sangue atinjam o sistema nervoso central, elas devem superar a barreira hematoencefálica (BHE) e a barreira sangue-medula espinhal (hematomedular).

Apelidado Glunomab, esse anticorpo desenvolvido em laboratório impediu a abertura dessas barreiras, limitando, assim, a passagem dos linfócitos agressores.

A equipe testou seus efeitos terapêuticos em ratos afetados por uma forma de esclerose múltipla.

Depois de uma injeção intravenosa do Glunomab, o avanço dos problemas motores – como paralisia facial, ou total, dos membros – foi bloqueado. Nos ratos tratados, esse efeito foi associado a uma diminuição da infiltração dos linfócitos no tecido nervoso e a uma redução da destruição das bainhas nervosas.

“Esperamos poder iniciar os testes clínicos o mais rápido possível: em um primeiro momento, sobre a inocuidade do anticorpo e, então, sobre sua eficácia, se a inocuidade for verificada”, disse à AFP Fabian Docagne, que dirigiu o estudo.

“Para isso, procuramos parceiros [industriais, por exemplo] prontos para financiar testes que podem representar um investimento de vários milhões de euros”, acrescentou.

Essa pesquisa foi submetida a um pedido de patente.

(AFP)

Aleteia Top 10
  1. Lidos