Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Jovem mamãe, traída pelo marido, envia uma carta excepcional à amante dele

Carlie Maree
Compartilhar

"O nível de detalhamento daquilo que você escreveu parece que foi pensado para provocar dor". Mas...

A australiana Carlie Maree, 31, mãe de uma linda menininha de 2 anos, trabalha duro e ainda se desdobra para fazer as tarefas da casa, cuidar da filha e dar atenção ao marido.

Certo dia, porém…

Ela recebe, no trabalho, um e-mail cujo assunto é “Seu Marido“. Quem o enviou é uma mulher que, revelando ser amante dele, descreve cada momento que passou ao seu lado – inclusive, e detalhadamente, os mais íntimos.

Eu sabia que ele estava distante. Eu sentia que, quando voltava para casa depois de alguma viagem, ele ficava muitas vezes bem irritado e cansado. Queria ficar bem próxima dele, por isso propus a terapia de casais. Ele aceitou e, em poucos meses, já estávamos recolocando tudo nos trilhos. Foi aí que eu descobri que ele tinha um caso“, relata Carlie ao site do jornal Daily Mail.

Carlie ainda deu uma chance ao marido, mas o casamento acabou não resistindo.

Cerca de um ano depois, independente e bem resolvida, Carlie resolveu publicar uma emocionante carta à amante do seu marido – e o texto viralizou nas redes sociais. Ela escreveu:

* * *

“A melhor amiga da minha filha, na creche, tem o mesmo nome que você, o que significa que eu o ouço muito. Antes eu me arrepiava quando ouvia, embora ela seja apenas uma doce menininha. Toda vez que a minha filha dizia que tinha se divertido com ela, eu admito que ficava aliviada por ela estar se referindo à amiga e não a você.

Faz um ano, você apertou ‘Enviar’ num e-mail que teve um efeito monumental na vida de várias pessoas. Na minha, na do meu marido, na da minha filha, nas dos nossos pais e familiares e na dos nossos amigos. Eu sempre quis saber o que passou pela sua mente naquele momento, quanto daquilo era vingança contra um homem que machucou seu coração e quanto daquilo tudo era uma tentativa de fazer a coisa certa em relação à mulher dele. O nível de detalhamento daquilo que você escreveu parece que foi pensado para provocar dor. Você sabia o que uma mulher precisava ouvir para que o seu casamento não tivesse volta – e você fez exatamente isso, golpe a golpe.

Eu gostaria de saber o quanto você me conhece. Eu sei que você pesquisou sobre mim na internet, leu o meu blog, viu as minhas fotos. Queria saber se, naquele dia em que recebi o e-mail com o assunto ‘Seu marido’, você sabia que eu estava no trabalho. Sim, porque é isso que ele era e tecnicamente ainda é: meu marido. Queria saber se você se refere a ele como ex-namorado agora. É tão bizarro para mim pensar que esse homem que eu conheci tão intimamente tinha outra mulher, sem que eu soubesse de nada!

E eu posso dizer, honestamente, que não sabia. Talvez devesse saber. É claro que eu perguntei a ele, mas, lá no fundo, não pensava que isso pudesse acontecer com a gente. Nós éramos como rochas sólidas, ele e eu. Eu acreditei mesmo nisso. Tínhamos uma bebê de seis meses e ele ficava ausente, com muito trabalho. Claro que as coisas estavam difíceis e que nós não estávamos mais tão ligados como antes, mas eu precisava que ele continuasse comigo até as coisas ficarem mais fáceis. Ele teria ficado, acredito, se você não tivesse surgido naquele momento.

Não estou interessada em culpar alguém e não me acho capaz de odiar. Não me importa de quem foi a culpa. Eu acredito de verdade que as coisas acontecem por alguma razão e há várias lições nisso tudo para todos nós. Posso imaginar como foi para você, vivendo naquela cidadezinha. Uma bela noite, um cara bonito vai até o seu bar para beber. Ele sabia que era divertido e charmoso. Meu marido. Posso imaginar que você se sentiu atraída por ele. Nas noites em que ele foi até lá, deve ter comentado o quanto era difícil ter uma bebezinha em casa, deve ter dito que ele não estava mais conseguindo tanta atenção. Tudo o que você teve que fazer foi ouvi-lo, dar a ele o que ele disse que não tinha e, logo, logo, ele era seu. Eu entendo você. Eu também me apaixonei por ele do outro lado do balcão.

Às vezes, fico pensando em quanto disso tudo foi uma tentativa dele de achar em você o que tinha perdido em mim. Eu já fui uma loira bonita, de saia curta, atrás do balcão do bar favorito dele. Dez anos depois, eu era a mãe com calças de ioga, mechas grisalhas e olheiras por ter de acordar toda noite e cuidar de uma bebê doente. Ele deveria amar também aquela versão de mim. E ele amou. Mas sentia falta da garota que não tinha mais tempo para bajulá-lo. Foi isso o que você deu a ele.

De alguma forma, sinceramente, eu sou grata. Eu me sentia mal quando ele passava todas aquelas noites sozinho, num hotel, longe da nossa família. Mas ele não estava sozinho. Ele estava com você. Ele passou o aniversário dele com você. Você o consolou quando nós enterramos o nosso cachorro, que era tão querido. Eu amava aquele homem o suficiente para me sentir aliviada ao saber que ele tinha achado amor naquele tempo, apesar de não ser onde eu esperava.

De acordo com o velho clichê, você acreditava que ele iria me deixar. Mas ele não me deixou. E você ficou mal com isso. A nossa filha foi crescendo, não precisava mais ser amamentada, dormia melhor. Ele começou a enxergar de novo aquela mulher por quem tinha se apaixonado anos antes. Ele queria fazer as coisas darem certo com a mulher dele e com a família dele. Acredito que isso magoou você. Você tinha uma escolha: podia deixá-lo ir em frente para fazer o casamento dar certo ou podia tirar tudo dele. Você escolheu a segunda opção.

No fim, nós tentamos reorganizar as coisas, mas não funcionou. As coisas estavam diferentes. Foram os detalhes que deixaram tudo diferente. Aquelas palavras e imagens estavam gravadas na minha mente… Eu acho que você sabia que elas iam provocar isso. Nós estamos bem, agora, eu e ele. De alguma forma, aliás, estamos mais próximos do que nunca. Aprendemos tanto um sobre o outro nessa experiência!

Cada um seguiu o seu caminho, é verdade, mas ainda temos amor e respeitamos um ao outro, e isso é positivo para a nossa menininha. Ninguém vai destruir isso. Espero que você também tenha seguido o seu caminho. Espero que você tenha aprendido alguma coisa desta situação e possa encontrar a paz consigo mesma, como eu encontrei”.

* * *

Esperamos que o tempo e o amadurecimento desse jovem casal, com o amor e o respeito que eles reconhecem que ainda existe apesar de tantos erros e de tanto sofrimento, consigam restaurar seu casamento e voltar a uni-los como família, junto com a sua menininha – que quer e merece o papai e a mamãe se amando como marido e mulher para sempre.