Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Ninguém vai dizer “Je suis le père Jacques”, como disseram “Je suis Charlie Hebdo”?

©TwitterAbbe Grosjean
Compartilhar

Martírio do padre francês: a batalha entre as trevas e a luz, desta vez em pleno altar da nossa adoração

A batalha entre as trevas e a luz, que tem sido travada desde o Éden, se torna ainda mais visível, desta vez em pleno altar da nossa adoração.

O grupo fanático Estado Islâmico (EI) reivindica a responsabilidade pelo covarde assassinato de um padre de 86 anos de idade, que celebrava a Santa Missa em uma igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, na Normandia. Entrando pela porta traseira da igreja, dois homens gritaram fidelidade ao grupo terrorista e iniciaram seu ataque.

O pe. Jacques Hamel, nascido em 1930 em Darnétal e ordenado sacerdote em 1958, era vigário da paróquia de Saint-Etienne-du-Rouvray e tinha celebrado seu jubileu de ouro em 2008. Além dele, também foram feitas reféns duas freiras e dois fiéis. Outra freira conseguiu escapar e chamar a polícia.

A garganta do padre foi cortada. Um dos fiéis, atacado da mesma forma hedionda, está em estado crítico.

O presidente François Hollande, que qualificou o ataque terrorista de “vil”, disse que o Estado Islâmico “declarou guerra contra nós. Temos de lutar essa guerra com todos os meios, respeitando o Estado de direito – que é o que nos torna uma democracia“.

O Papa foi informado e sente a profunda dor e horror desta violência absurda. Ele condena vigorosamente todas as formas de ódio e reza pelas pessoas atingidas“, disse em nome de Francisco o porta-voz do Vaticano, pe. Federico Lombardi, acrescentando que este ataque nos fere com ainda mais força “porque esta horrível violência ocorreu em uma igreja, um lugar sagrado em que o amor de Deus é anunciado“.

O jornal britânico The Sun informou que a igreja era um dos locais de culto católico mencionados numa lista negra descoberta em abril de 2015 em posse de um suspeito ligado ao EI.

Jean Duchesne, diretor executivo da Academia Católica da França e um dos fundadores da edição francesa da revista Communio, escreveu:

O que acaba de acontecer em Saint-Étienne-du-Rouvray só pode provocar horror e indignação diante de tamanho ódio covarde, cruel e estupidamente suicida. Depois de tantos ataques terroristas na França, mas também na Alemanha, é possível notar que, neste caso, os lunáticos não mataram completamente às cegas.

Até agora (…) os fanáticos vinham atacando certa ideia lisonjeira que os nossos cidadãos têm de si mesmos: a iconoclasta insolência do Charlie Hebdo, o culto pagão do esporte no Stade de France, a alegre mundanidade do Bataclan e dos cafés de Paris, os fogos de 14 de julho em Nice para celebrar uma revolução que promoveu ideais, mas que também produz o que há de pior (…)

Mas aqui, hoje, é algo completamente diferente. A condenação não era ao Ocidente em geral, nem à sua complacente e egoísta prosperidade, que pode parecer insultante aos pobres do mundo. Este foi um ataque à raiz da civilização europeia, à nossa fonte vivíssima (…): a celebração da Missa.

Devemos, portanto, perguntar: será que os franceses (e o mundo) se identificam com essas vítimas? Um padre idoso brutalmente assassinado, um punhado de fiéis e freiras? Será que vamos nos atrever a dizer ‘Je suis le père Jacques Hamel’, como foi proclamado e repetido massivamente aquele ‘Je suis Charlie Hebdo’?

Os cristãos só podem estar chocados e indignados, como qualquer ser humano civilizado, mas também abalado porque agora estão autorizados a pensar que as suas assembleias eucarísticas entraram na mira de atormentados por impulsos assassinos, estimulados por uma propaganda delirante. Os cristãos, mais uma vez, se encontram em confronto com o mistério do mal na sua brutalidade mais nua; o enigma insuportável de que o Amor não é amado.

Vamos continuar a ir à Missa, quaisquer que sejam os nossos medos, para receber o Amor que vence o ódio (…) e porque queremos amar aqueles que se consideram nossos inimigos, assim como aqueles que não se importam. As portas de nossas igrejas permanecerão abertas”.

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós.

São Miguel Arcanjo, padroeiro da Normandia, rogai por nós.

Santa Teresa de Lisieux, tão próxima da igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, rogai por nós.