Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Socorro! Meus sogros estão interferindo negativamente na educação dos meus filhos!

Compartilhar

Uma resposta adulta, gentil e construtiva – mas bem dura se for preciso

A leitora Ginny O. escreveu para a edição da Aleteia em inglês e expôs o seguinte caso:

Meus sogros vêm à nossa casa e dizem às crianças que a mulher tem o direito de optar pelo aborto se assim quiser e ponto. Isso parte o meu coração – e eles não parecem abertos a parar com isso. Como lidar com uma situação dessas?“.

Nossa colunista Katrina Fernandez responde:

Querida Ginny, encare a questão com leveza, pelo menos no início, mas de modo firme.

Como se trata dos seus sogros, é imperativo que o seu marido apoie você. Converse primeiro com ele e elaborem juntos um “plano de ação”. Depois, esperem que os seus sogros puxem o assunto. Eu não começaria um confronto nem estabeleceria regras antes que eles voltassem a tocar no tema. Quando o fizerem, você terá a oportunidade de pedir a eles para não abordarem mais essa questão, dizendo que os pontos de vista deles são fundamentalmente diferentes dos valores da sua família. Mas não se esqueça: é muito importante que você peça isto do modo mais educado e gentil possível e sempre com o apoio do seu marido.

Adultos maduros vão respeitar os limites familiares, mas entendo que algumas pessoas tendem a ficar na defensiva quando alguém discorda delas. Elas podem entender a discordância como “preconceito”. Esteja preparada para esta eventualidade.

O ponto crucial é que, sentimentos à parte, eles estão despejando sobre os seus filhos – e dentro da sua própria casa! – ideias que não são meramente “diferentes”, mas abertamente contrárias aos valores que você mais preza. Eles têm o direito de expor a sua opinião? Sim, mas não de qualquer forma, não em qualquer lugar, não em qualquer contexto; a falta de discernimento sobre a oportunidade de fazer determinadas afirmações não é um exercício de liberdade de expressão, e sim uma prática de intolerância e imposição dos próprios pontos de vista diante de quem não conta ainda com as ferramentas necessárias e justas para analisar o assunto com maturidade e clareza. Não há absolutamente nenhuma razão para que os seus sogros levantem a questão do aborto durante as visitas à sua casa – e é patético que o façam se os seus filhos ainda são crianças! É preciso esclarecer que o debate e a discussão de ideias é importante, certamente, mas que a verdadeira produtividade desse debate precisa de algumas premissas – a começar pela capacidade dos participantes de entenderem o assunto…

Além disso, qualquer visitante, seja parente ou não, deve respeitar as regras familiares da casa que estão visitando porque isto é um requisito elementar de civilidade. É necessário tentar manter um bom ambiente familiar, mas também é fundamental estabelecer limites e dar um basta a quem tenta minar a sua legítima e sadia autoridade materna ou paterna.

Não é nenhum segredo que eu deixei o meu marido porque ele me disse, sem meios termos, que jamais me permitiria criar o meu filho na religião católica. Pois bem: ele agora é ex-marido e o meu filho e eu continuamos sendo católicos. De forma parecida, sogros que dizem aos netos que o aborto é uma coisa boa podem constituir uma daquelas raras situações capazes de justificar o corte das relações familiares. É inadmissível que alguém entre na minha casa católica e diga e repita aos meus filhos católicos algo que é gritantemente contrário aos ensinamentos da Igreja. Simples assim.

Peça aos seus sogros para respeitarem os valores da sua família; peça o apoio do seu marido nesta decisão. Caso eles insistam, diga claramente que você fica muito triste pela escolha deles de desrespeitar a sua autoridade materna e que vocês poderão voltar a ver-se, talvez, no Natal ou no próximo velório.

Sim, soa duro, mas algumas pessoas com atitudes tóxicas devem ser removidas da nossa vida, especialmente quando há crianças afetadas por elas. Algumas pessoas precisam de medidas drásticas para descobrirem o quanto você está sendo séria na hora de garantir respeito.

O membro da família que ultrapassa as fronteiras e atropela a autoridade dos pais não merece um papel regular na sua vida. O seu dever é para com seu marido e filhos: por mais que você deva ser gentil e respeitosa com todos os seus parentes, não há nenhuma obrigação que a vincule aos que não estão dispostos a retribuir o seu respeito e gentileza.

Desejo-lhe tudo de melhor na sua luta para defender os seus filhos do mal que é o aborto e de qualquer doutrinador que os induza a pensar o contrário – mesmo que sejam seus sogros.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.