Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconAtualidade
line break icon

A “minúscula carolíngia”: como as abadias católicas ajudaram a alfabetizar a Europa

Aleteia Brasil - publicado em 08/08/16

A Igreja teve um papel decisivo na facilitação da escrita e na transmissão da cultura

Nada mais básico para a leitura do que uma escrita legível, com boa caligrafia ou tipografia.

O leitor imagine um texto todo escrito em maiúsculas, sem espaços entre uma palavra e outra. Seria penoso. Pois este era o caso da escrita dos romanos, da qual provém a nossa. Os romanos escreviam assim, como está registrado em inúmeros monumentos, como no arco romano de Septímio Severo.

Devemos a facilidade de leitura da nossa escrita à Idade Média, em particular ao imperador Carlos Magno e ao seu conselheiro beneditino, o abade Alcuíno de York.

Por volta do ano 780, o imperador ordenou que a Escola Palatina, que funcionava em seu palácio, passasse a usar letras minúsculas e pusesse espaços entre as palavras. Foi assim que se tornou oficial a “minúscula carolíngia”, antepassada direta de nossa escrita. Carlos Magno agiu aconselhado pelo abade Alcuíno, monge beneditino de York – ele era uma espécie de “ministro da Educação” muito prezado pelo imperador. O exemplo do palácio real pegou em todo o Império: escolas, livros, textos religiosos adotaram a nova forma de escrever.

Carlos Magno queria que as letras fossem arredondadas, de tamanho igual, para que ler e escrever fosse o mais fácil possível. A minúscula carolíngia substituiu a minúscula merovíngia, que era irregular, confusa e de leitura dificultosa. Na nova forma de escrever, as maiúsculas ficaram como vieram dos romanos e as minúsculas foram inspiradas pela escritura uncial e semi-uncial usada pelos monges da Inglaterra e da Irlanda. A forma final foi elaborada pelo abade Alcuíno, sob direta supervisão de Carlos Magno.

O mais antigo manuscrito que usa a “minúscula carolíngia” é o Evangeliário de Carlos Magno, ou de Godescalco, que hoje se encontra na Biblioteca Nacional da França (NAL 1203) e que foi encomendado pelo imperador.

A minúscula foi uma grande e utilíssima novidade: homogênea, arredondada, de formas claras e bem legíveis. As abadias da França, Suíça, Alemanha, Áustria e Itália foram as primeiras a empregá-la. Inglaterra e Irlanda a adotariam pouco depois e o mesmo fizeram os outros países da Cristandade. Foi tão grande a expansão da letra do imperador que o manuscrito de Freising, primeiro texto redigido em língua eslava, já a usava.

A facilidade de ler e escrever pesou decisivamente na conservação e transmissão das obras clássicas da Antiguidade. Os escritos de Ovídio, Cícero e Virgílio, entre outros, copiados pelos monges, ficaram muito mais acessíveis.

Este formidável movimento cultural fez parte do chamado “Renascimento Carolíngio”, uma série de iniciativas focadas em cultura, conhecimento e arte promovidas pela corte de Carlos Magno, em parceria com as abadias católicas. Foi graças a esse movimento que chegaram até nós milhares de livros do mundo grego e latino, escritos com a “minúscula carolíngia”, além de se estabelecer uma premissa decisiva para o longo processo de alfabetização do continente: um sistema de grafia mais simples e prático.

_______________

A partir de publicação do blog Glória da Idade Média

Tags:
ArteHistóriaHistória da Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia