Aleteia
Terça-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Atualidade

ONU pede uma pausa humanitária na cidade síria de Aleppo

Agências de Notícias - publicado em 09/08/16

A ONU pediu um acesso humanitário imediado aos cerca de 1,5 milhão de habitantes em Aleppo, onde, em seus arredores, combates opunham nesta terça-feira o regime e os rebeldes, que se preparam para uma batalha pelo controle desta que é a segunda maior cidade da Síria.

Nos combates, o regime é apoiado pela aviação russa e por combatentes iranianos, iraquianos e do Hezbollah libanês, enquanto os grupos rebeldes contam com o apoio da poderosa organização extremista islâmica Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nosra que rompeu com a Al-Qaeda).

Ambos os lados têm recebido reforços significativos em homens e armas em Aleppo e seus arredores, depois que os rebeldes quebraram no sábado o cerco imposto pelo regime às zonas sob controle rebelde na cidade dividida desde 2012.

Aproveitando esta contra-ofensiva, os rebeldes cercaram parcialmente os bairros pró-regime em Aleppo, antes de anunciar a sua intenção de tomar toda a cidade, no que seria o maior desafio do conflito que devasta o país há mais de cinco anos.

Centenas de milhares de civis estão bloqueados em Aleppo, sofrendo com a escassez de alimentos e produtos básicos, o que levou a ONU a alertar para a situação.

“A ONU está pronta para ajudar a população civil de Aleppo, uma cidade unida no sofrimento”, afirmou o coordenador humanitário da ONU para a Síria, Yacoub El Hillo, e o coordenador regional, Kevin Kennedy.

Os estoques de alimentos e medicamentos estão “em um nível perigosamente baixo”, advertiram, apelando para “tréguas humanitárias semanais de 48 horas”.

‘Situação catastrófica’Regime e rebeldes ainda conseguem levar alimentos e outros produtos para as áreas sob o seu controle, mas estas rotas não são seguras o suficiente para os civis.

“Toda a cidade está sem água corrente há quatro dias. As crianças e famílias em Aleppo estão enfrentando uma situação catastrófica”, declarou o Fundo da ONU para a Infância (Unicef).

“Esta escassez de água ocorre em plena onda de calor, expondo as crianças a sério risco de doenças”, ressaltou Hanaa Singer, representante do Unicef na Síria.

Segundo a ONU, dois milhões de pessoas “vivem com medo de serem sitiadas”, incluindo 275.000 no leste de Aleppo.

Especialistas estimam em 1,2 milhão a população na área governamental e que cerca de 250.000 na área rebelde.

O regime havia cortado em 17 de julho a rota Castello ao norte de Aleppo, a última de abastecimento para os insurgentes. Mas no último sábado, os rebeldes conseguiram romper o cerco, tomando o distrito de Ramoussa, ao sul de Aleppo. Era por este setor que transitavam os produtos para as zonas do governo.

‘Mãe de todas as batalhas’ Nesta terça-feira, os combates ocorriam perto de Ramoussa. Mas “a grande batalha ainda não começou”, garantiu à AFP Yasser Abdelrahim, um comandante rebelde, acrescentando que os preparativos estavam em curso.

“Esperamos mais reforços e tentamos identificar os pontos fracos do inimigo”, indicou.

Além destas batalhas, os bombardeios do regime continuavam no leste de Aleppo, onde três civis foram mortos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Ahmad, um residente de um bairro governamental perto de Ramoussa, afirmou à AFP que “muitos soldados estão concentrados na entrada da área. A situação é assustadora”.

“A batalha de Aleppo é talvez uma das batalhas mais simbólicas e mais estratégicas na Síria”, considera Charles Lister, do Middle East Institute.

“Embora seja muito improvável que a oposição tome toda a cidade, ter quebrado o cerco enviou uma mensagem importante sobre a natureza incansável da rebelião”, afirma em uma análise publicada na internet sob o título “Aleppo, a mãe de todas as batalhas”.

O conflito na Síria já fez mais de 290.000 mortos, levados a fugir mais da metade da população e provocou uma grave crise humanitária.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Ellen Mady
Para Jesus não existe novena melhor do que es...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
ícone São Lucas Nossa Senhora Jesus médico
Reportagem local
Oração a São Lucas, evangelista e médico, pel...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
JENNIFER CHRISTIE
Jennifer Christie
Fui estuprada numa viagem a trabalho - e meu ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia