Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A atleta olímpica que abandonou os Jogos no Rio para salvar seu cavalo

ROBIN UTRECHT / AFP / Getty Images)
Dutch rider Adelinde Cornelissen with Jerich Parzival in action during the finals of the World Cup Dressage during the Indoor Den Bosch in Den Bosch, the Netherlands, on March 27, 2010. Cornelissen finished in second place. AFP PHOTO / ANP / Robin Utrecht
Compartilhar

A amazona olímpica Adelinde Cornelissen prova que algumas coisas são mais importantes do que ganhar uma medalha de ouro

Por Christine Stoddard

A amozona Adelinde Cornelissen ama adestrar, mas ela ama também o seu cavalo, Parzival, o animal amigo que a levou ao auge. No Rio de Janeiro, a atleta holandesa, de 37 anos, colocou a saúde do cavalo acima de ganhar outra medalha, e retirou-se das Olimpíadas.

O querido companheiro de Cornelissen estava fraco demais para competir depois de se recuperar do que os veterinários acreditavam que era uma picada de algum tipo de inseto ou aranha. Mesmo depois do inchaço e da febre do cavalo ter diminuído, Cornelissen sabia que Parzival não estava bem o suficiente para realizar o seu melhor, e poderia sofrer mais com o esforço físico. Pouco depois de entrar na arena, Cornelissen retirou-se com uma saudação a fim de dar a Parzival o que ele merecia.

Netherland's
DAVID HECKER / AFP / Getty Images)

Cornelissen postou a história comovente no Facebook, bem como atualizações para os fãs para mostrar como Parzival tem se recuperado desde a doença.

Cornelissen, que ganhou medalhas olímpicas de prata e bronze, além do Mundial e medalhas de ouro na Europa, pode ter outra chance nos Jogos Olímpicos, mas provavelmente não com Parzival. Como a CNN apontou, aos 19 anos, é improvável que o cavalo consiga competir novamente. Segundo a revista Equus, o cavalo médio vive entre 18 e 22, mas pode viver até 40 anos. Mas não importa o quanto ele viva, é claro que com uma amiga e colega de trabalho como Cornelissen, seus anos serão felizes.

*Christine Stoddard é escritora e vive no Brooklyn. Escreve para Marie Claire, Bustle, Cosmopolitan, Teen Vogue, The Huffington Post, Catholic News Service, entre outros. Ela também é editora fundadora da revista literária Quail Bell.

Texto Original: http://forher.aleteia.org/articles/dressage-olympian-adelinde-cornelissen-quit-rio-to-save-horse-parzival/