Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Âncora da CNN chora ao ver o menino resgatado na Síria – todos nós deveríamos (VÍDEO)

Ben Gabbe | Getty Images
NEW YORK, NY - NOVEMBER 19: Co-anchor Kate Bolduan attends the 2013 CNN Heroes at the American Museum of Natural History on November 19, 2013 in New York City. (Photo by Ben Gabbe/Getty Images)
Compartilhar

Katie Bolduan nos mostra que, às vezes, a coisa mais profissional que você pode fazer é se lembrar de ser humano

 

Por Christine Stoddard*

Um comunicador deve estar sempre pronto – ser calmo, recolhido, sem emoção. Nós, primeiramente, aprendemos esse comportamento na escola. Sentar-se calmamente ou ficar parado. Não incomodar e não falar quando não for solicitado. Então, à medida que envelhecemos, temos de praticar isso todos os dias, seja no escritório ou na sala de reuniões. Somos ensinados a não rir alto, como também a não chorar.

Então, quando a âncora da CNN Kate Bolduan chorou em rede nacional, ao relatar a tragédia de uma criança da Síria, a súbita quebra na compostura surpreendeu os espectadores. Mas havia algo maior do que o profissionalismo acontecendo naquele momento: era uma expressão autêntica, alimentada pela emoção.

A vulnerabilidade de Bolduan no trabalho é admirável. Mas não deveria ser surpreendente. Como alguém poderia não chorar com esta imagem? (veja o vídeo abaixo) Por que alguém iria querer segurar o que nos torna humanos? Ver o pequeno Omran, que tinha acabado de ser retirado dos escombros na cidade de Aleppo, parecendo tão vulnerável e sozinho, faria qualquer pessoa querer se aproximar e protegê-lo. Compaixão é apenas mais um dom da ligação que nós compartilhamos com os outros, e o primeiro passo para tomar medidas. A nossa cultura faz com que seja fácil ser insensível e imparcial diante destas atrocidades contra os inocentes. Obrigado, Kate Bolduan, por nos mostrar o caminho. Todos nós precisamos chorar diante de tais tragédias.

Há tantas pessoas que sofrem neste mundo. Uma criança de cinco anos de idade deveria estar brincando, e não fugindo de bombas. Assista a Bolduan fazer seu trabalho da maneira que deveria ser feito, com paixão e compaixão. Mas aviso: algumas dessas imagens são perturbadoras:

 

*Christine Stoddard é escritora e vive no Brooklyn. Escreve para Marie Claire, Bustle, Cosmopolitan, Teen Vogue, The Huffington Post, Catholic News Service, entre outros.