Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Atualidade

O rei do Marrocos: frente comum contra o fanatismo jihadista

<p>Os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) foram freados em sua ofensiva na cidade síria de Kobane, onde as forças curdas recuperaram duas posições, enquanto no Iraque o exército repeliu um ataque contra uma grande cidade no oeste do país</p>

Vatican Insider - publicado em 25/08/16

Por Luis Badilla

O rei do Marrocos convida muçulmanos, cristãos e judeus para enfrentar juntos o “fanatismo e o ódio”. São palavras significativas ditas pelo soberano Mohamed VI ao país, dirigindo-se especialmente aos cinco milhões de marroquinos que vivem no exterior. “Diante da proliferação da difusão do obscurantismo em nome da religião, todos os muçulmanos, cristãos e judeus devem construir uma frente comum para enfrentar o fanatismo, o ódio e o isolamento em todas as formas”, disse o rei.

Mohamed VI pediu aos seus concidadãos para serem pacientes, apoiarem a paz e viverem em harmonia com os outros. Pediu, além disso, para “manter o empenho sobre os valores de sua religião, assim como em suas antigas tradições”: esta é a melhor resposta para o fenômeno jihadista “alheio a eles”.

“Condenamos com veemência o assassinato de pessoas inocentes”, disse o rei do Marrocos, fazendo alusão à morte do idoso padre francês decapitado em sua igreja, qualificando como uma “loucura imperdoável” o assassinato “de um padre em uma igreja”. “Aqueles que incitam ao homicídio e à agressão” servindo-se do Corão “não são muçulmanos”, disse Mohamed. “Os terroristas que agem em nome do Islã são indivíduos equivocados, condenados ao inferno para sempre”.

O rei observou que o jihadismo “explora alguns jovens muçulmanos, especialmente na Europa, aproveitando-se de sua ignorância da língua árabe e do verdadeiro Islã, para transmitir-lhes mensagens e promessas falsas e equivocadas”. O monarca do Marrocosnão esqueceu as responsabilidades de “muitos grupos e instituições islâmicas” que pretendem representar “o verdadeiro Islã” promovendo a “difusão de uma ideologia extremista”.

O discurso do soberano marroquino é feito pouco depois da divulgação do texto de uma carta dirigida a Francisco pelo Grão Aiatolá iraniano Makarem Shirazi di Qom, com a qual o expoente islâmico xiita agradece ao Pontífice as palavras usadas durante a sua recente viagem à Polônia a propósito do terrorismo. O Papa negou-se a identificar a violência fundamentalista com a religião islâmica.

É interessante destacar como Shirazi, na carta, considera importante a tomada de posição dos líderes religiosos de todo o mundo contra qualquer violação da dignidade das pessoas, em especial aquelas levadas a cabo em nome da religião. E recorda ter condenado o assassinato do padre Hamel definindo-o como “um violento ataque terrorista” utilizando a palavra “takfir”, que para o Islã é sinônimo de máxima falta de piedade. Com realismo, o aiatolá Makarem Shirazi recorda que os grupos jihadistas ainda não foram destruídos porque são apoiados por “potências arrogantes”. Uma maneira para recordar o papel daqueles que financiaram e apoiaram os grupos terroristas com finalidades políticas e econômicas, explorando-os como aliados úteis nas guerras, para depois dar-se conta de ter criado monstros incontroláveis.

E, novamente, hoje, durante o Meeting de Rímini, o grande mufti da Croácia, Aziz Hasanovic, observou que quem mata inocentes, sobretudo judeus e cristãos, porque pertencem às três grandes religiões monoteístas, “não é muçulmano”, porque o Corão diz que se deve fazer o contrário.

O verdadeiro problema para Hasanovic, que recentemente se reuniu com o Papa Francisco, “é a ignorância e a generalização”. Porque, explica, “o terrorismo é a consequência da ignorância e da manipulação do ensinamento do Corão, do doutrinamento sectário. O Corão diz que matar um inocente é como matar o mundo inteiro”.

Três tomadas de posição que se somam à expressada por Al Azhar e à iniciativa dos muçulmanos que, na França e na Itália, manifestaram sua solidariedade com os cristãos após o bárbaro homicídio do padre Hamel.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Terrorismo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia