Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Diminuem as esperanças de achar sobreviventes de terremoto na Itália

Capture d'écran / YouTube
Nepal earthquake, tv screenshot
Compartilhar

As equipes de resgate seguiam buscando intensamente possíveis sobreviventes entre os escombros nos povoados italianos arrasados por um terremoto que deixou ao menos 267 mortos, mas a esperança de encontrar pessoas vivas diminuiu e são retirados apenas cadáveres.

A Itália declarou o sábado dia de luto nacional, quando serão realizados os primeiros funerais de cinquenta vítimas do terremoto em Arquata del Tronto, uma das três aldeias arrasadas pelo forte tremor.

O presidente da República, Sergio Mattarella, participará da cerimônia que será realizada em Ascoli Piceno.

Dezenas de tremores secundários ocorreram durante toda a noite, incluindo um de 4,8 graus de magnitude, que foi registrado depois das 06h00 (01h00 de Brasília) e gerou pânico entre os desabrigados e socorristas, que temiam mais desabamentos.

Segundo o último relatório da Defesa Civil, o número de mortos mais de 48 horas após o terremoto subiu a 267, enquanto 387 feridos estão hospitalizados.

No total, 238 pessoas foram retiradas com vida dos escombros desde a madrugada de quarta-feira, quando às 03h38 (22h38 de Brasília de terça) um terremoto arrasou três povoados montanhosos do centro da Itália.

A porta-voz da Defesa Civil, Immacolata Postiglione, disse que não foram encontrados sobreviventes durante as escavações da noite de quinta-feira e só foram retirados cadáveres.

“Não há ninguém sob os escombros aqui, talvez em Amatrice ainda exista a esperança de encontrar alguém”, disse esperançoso à AFP um sobrevivente, Fabrizio Mecozzi, da aldeia de San Lorenzo Flaviano.

Tanto no frio da noite quanto sob o calor sufocante do dia, os socorristas escavam sem parar sob as montanhas de pedra e destroços.

A incógnita sobre o número de desaparecidos pesa, já que nestes povoados pitorescos e turísticos a população triplica no verão e é difícil estabelecer quantas pessoas estavam presentes no momento da tragédia.

Oito estrangeiros mortosAo menos oito estrangeiros morreram, informou imprensa local: três britânicos, dois romenos, uma espanhola, um canadense e uma salvadorenha.

A embaixada de El Salvador em Roma confirmou a morte de Rosaura Valiente Oviedo em Amatrice, o povoado que foi apagado do mapa pelo tremor, enquanto seu filho, Roberto Valiente, foi resgatado com vida entre os escombros.

Os gestos de solidariedade seguem aumentando, e além das filas para doar sangue ou dinheiro são registradas em diferentes cidades iniciativas culinárias oferecidas por chefs e cozinheiros italianos, entre elas a campanha “comer pela Itália” lançada pelo popular chef britânico Jamie Oliver, com doação de dinheiro para os desabrigados.

Na noite de quinta-feira, o governo declarou o estado de emergência nas zonas afetadas e concedeu uma primeira ajuda de 50 milhões de euros para a catástrofe.

O primeiro-ministro, Matteo Renzi, também anunciou um novo plano de prevenção anti-sísmica, depois das polêmicas e dúvidas geradas pelo elevado número de vítimas em uma zona de alto risco.

Segundo o primeiro censo realizado pelo ministério da Cultura, 293 locais de valor cultural, entre igrejas, conventos e campanários medievais e do Renascimento foram danificados ou destruídos.

“Não podemos arrasar o imenso patrimônio histórico da Itália”, reconheceu Renzi, que tem o desafio de reconstruir, segundo normas claras e transparentes, e garantir que edifícios históricos construídos com pedra e cal há vários séculos resistam aos fortes tremores.

Enquanto isso, o zumbido dos helicópteros e o rugido dos motores de caminhões lembra os desabrigados reunidos nos campos esportivos e sob as barracas que a vida segue.

(AFP)