Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Justiça francesa suspende interdição do burkini

stan honda/AFP
Men pray on Madison Avenue just before the 27th annual Muslim Day Parade on September 23, 2012 in New York. AFP PHOTO/Stan HONDA
Compartilhar

A mais alta jurisdição administrativa francesa suspendeu nesta sexta-feira um decreto proibindo o uso do burkini adotado por um município litorâneo, na ausência de “riscos conhecidos” para a ordem pública.

A decisão do Conselho de Estado diz respeito à Riviera Francesa, mas passará a valer para toda a França.

A notícia foi comemorada por representantes da fé muçulmana na França, que saudaram “uma vitória da lei” e “do bom senso”.

O debate sobre a proibição do traje de banho vestido por algumas muçulmanas despertou intensa polêmica na França e no exterior.

O Conselho de Estado lembra a todos os prefeitos que evocaram o princípio da laicidade que eles não podem basear-se em “outras considerações” que a ordem pública, “o direito de acesso à praia, nadar em segurança, bem como a higiene e decência” para impedir o acesso às praias.

“Esta decisão sensata vai ajudar a acalmar a situação, que foi marcada por uma forte tensão entre os nossos irmãos muçulmanos, especialmente entre as mulheres”, respondeu à AFP o secretário-geral do Conselho Francês da Fé Muçulmana (CFCM), Abdallah Zekri, que preside o Observatório Nacional contra a islamofobia.

Esta decisão “vai estabelecer um precedente”, elogiou Patrice Spinosi, o advogado da Liga dos Direitos Humanos, que havia recorrido ao mais alto tribunal administrativo. “Sim, há uma ingerência desproporcionada à liberdade de religião e o prefeito não tinha poder para restringir essa liberdade “, acrescentou.

(AFP)