Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Papa: constrói-se um mundo melhor consolando os que sofrem

© Antoine Mekary / ALETEIA
Compartilhar

O Papa Francisco continua a acompanhar de perto a situação das vítimas dos terremotos no centro da Itália com a oração e com sinais concretos de solidariedade.

“Consolando os que sofrem, poderemos construir um mundo melhor”, escreveu o Pontífice no tweet publicado esta tarde.

Depois dos bombeiros do Vaticano enviados à Amatrice logo após o sisma, o Papa enviou ontem, quinta-feira, também um grupo de Gendarmes, para participar das operações de socorro às vítimas, junto com a Proteção Civil.

Ainda na quinta-feira, o Pontífice celebrou a Missa na Casa Santa Marta com as Clarissas de Santa Maria de Vallegloria, uma comunidade de Spello, na Ùmbria, duramente atingida pelo terremoto de 1997, e que viram-se obrigadas a viver por 14 anos em um contêiner.

Rezou-se por todos aqueles que estão sofrendo em consequência do sisma. O Papa convidou as religiosas a semear esperança, a dar Cristo aos outros com a oração e com a vida. Jesus – disse – é a verdadeira riqueza, mesmo quando não temos nada.

A Guarda Suiça Pontíficia, por sua vez, organizou uma coleta de sangue. Também médicos e enfermeiros do Vaticano estão prontos a partir para as áreas atingidas.

Já o Cardeal Secretário de Estado, Pietro Parolin, em visita a Canale d’Agordo, Província de Belluno, declarou aos jornalistas que considera fundamental a existência de “um compromisso sério” na reconstrução, que leve a fazer “aquilo que as pessoas desejam que seja feito”.

Os bombeiros vaticanos – que levaram várias bênçãos do Papa e terços, conseguiram retirar com vida dos escombros em Amatrice, uma criança de três anos. A mesma sorte não teve a irmã, de dez anos, que dormia no mesmo quarto, e os pais.

(Rádio Vaticano)