Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

A diferença entre “ter piedade” e “sentir dó”

Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

A diferença que faz toda a diferença!

Tenho refletido muito sobre a piedade e suas manifestações, nada a ver com “pena” ou qualquer pieguice do gênero. Falo da verdadeira compaixão, esse sentimento que nos aproxima uns dos outros porque nos sensibiliza em relação aos sofrimentos alheios.

A piedade é uma faculdade intuitiva que nos leva a compreender os sentimentos alheios sem julgamentos ou preconceitos. Também não escolhe essa ou aquela pessoa para se manifestar porque é espontânea e natural.  Entretanto, acredito que o seu desenvolvimento merece maior cuidado, pois tenho observado as pessoas muito distantes umas das outras.  Estarei enganada? Gostaria realmente de estar, afinal que sentido pode ter a vida se nos tornarmos insensíveis diante das emoções dos que nos rodeiam? Por acaso é possível estarmos bem diante de alguém que sofre?

Todos têm seu próprio quinhão de dor, seus dias mais trevosos, não há a menor dúvida de que precisamos uns dos outros para nos fortalecer na busca de dias mais claros e prósperos. Assim, como se explica a postura de “cobrador” dos atos de outrem? “Está colhendo o que plantou”; que triste exclamação! Entendemos que é verdadeira a idéia, ou seja, cada um sempre colhe o que plantou, porque a Justiça Divina é inexorável, mas quem somos nós para lançar qualquer tipo de anátema em nossos semelhantes? Por acaso também nós não sofremos as consequências de nossos próprios atos? E queremos que nos reprovem?

Também há a questão do tempo; as pessoas estão cada vez mais ocupadas com seus afazeres e isso as impossibilita de dedicar alguns momentos na tentativa de abrandar a dor dos outros. Será? Não temos tempo de procurar ajuda, ou mesmo alguém que nos ouça, quando é em nossa porta que a aflição se apresenta? A vida é repleta de desafios, de situações delicadas que mexem e remexem com nossos mais íntimos sentimentos. Precisamos nos ater na imensa responsabilidade de conviver entre iguais, agindo com os outros como gostaríamos que agissem conosco e isso independente de quem seja ou de como proceda conosco. Tudo o que fizermos no sentido de acolher e atenuar a dor alheia se refletirá em atenuantes na nossa própria dor. O bem sempre se reverterá em bem, por isso quem se apieda dos sofrimentos alheios nunca estará sozinho em seu próprio sofrimento.

A sincera comiseração nos faz pessoas mais gratas e gentis, consequentemente, mais amadas e realizadas. Bom refletir!

 

LEIA MAIS: O verdadeiro sentido da compaixão: não se limite a “sentir pena” de alguém – porque isso pode ser mais egoísta do que você imagina, e a compaixão é muito mais que isso

 

(via Suely Buriasco)

Tags:
compaixao

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições