Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Julho |
São Botvido
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Brasileira larga tudo para divertir filhos de refugiados na Europa

Childhood Rescue Project

Achei USA - publicado em 29/08/16

“Elas já haviam perdido tudo. Não queria que perdessem também a infância.”

A foto de uma criança filha de refugiados morta no mar da Turquia rodou o mundo e levantou uma discussão sobre a realidade de milhares de refugiados que tentam atravessar as fronteiras europeias todos os anos.Incomodada com essa triste realidade, a brasileira Alessandra Luiza de Morais, mais conhecida como Lelé, resolveu conhecer de perto um abrigo de refugiados na Grécia para fazer o que mais gosta na vida: brincar com crianças.

Natural de Belo Horizonte-MG, Lelé se formou em Belas Artes, e, desde muito nova, descobriu sua vocação para trabalhar com crianças. Em 2002, decidida a aprender inglês, resolveu passar seis meses em New York. Logo que chegou, montou uma oficina de brinquedos em sua casa e criou a “Let’s Play Group”. Os seis meses se transformaram em 14 anos, Lelé se casou com um fotógrafo americano que hoje a acompanha, quando possível, em suas atividades.

“Sempre estudei muito e pesquisei sobre o mundo das brincadeiras infantis. Vi que eu poderia ir muito além de dar uma aula de artes para elas. Descobri que a linguagem da criança é universal, não importa se é brasileira, americana, síria”, disse ao AcheiUSA.

6

Em sua casa em NY, ela tinha um quintal onde oferecia vários tipos de brincadeiras para as crianças e esse mesmo tipo de trabalho ela tenta levar para o campo dos refugiados. “Eu as observo, vejo com o que elas gostam de brincar e o que as interessa. Uma cadeira vira um ônibus, objetos se transformam e, assim, deixam a imaginação voar”.

No último recesso americano de “Spring Break” ela se juntou à amiga brasileira Eliana Maeda que é enfermeira e as duas embarcaram juntas nessa aventura. Quando chegaram ao campo de refugiados “Eko”, elas descobriram que era um posto de gasolina. “Esse foi o primeiro choque”. Depois, ela foi se aproximando das crianças com os brinquedos que havia levado e eles, que antes estavam agitados e agressivos, começaram a brincar. “Foi muito emocionante, nunca vi um povo tão alegre como o povo sírio, a receptividade foi muito boa”, conta.

1
Lelé brinca com crianças refugiadas em campo na Grécia

Play Group pelo mundo

Lelé afirma que numa noite na Grécia ela acordou no meio da noite, teve um “clique” e percebeu que o que ela precisava e queria fazer era levar o seu “Play Group” para o mundo. “Eu percebi que saí do Brasil para isso, para levar um pouco de alegria para crianças do mundo”, disse.

Hoje, Lelé está num campo de refugiados na Áustria e voltará para a Grécia no segundo semestre. No final de julho, ela foi passar seis semanas na Índia trabalhando com crianças de lá, e em novembro segue para o Brasil para Bento Rodrigues (MG), onde ocorreu uma tragédia ambiental no final do ano passado. Ela vai trabalhar com os filhos dos desabrigados. Em seguida, segue para o Mato Grosso trabalhar com os índios guaranis. “O meu país não poderia ficar de fora dessa missão que estou cumprindo com todo amor”.

Vale destacar que a artista plástica faz todas as despesas pessoas com dinheiro do próprio bolso – passagens, hotel, alimentação – e que o dinheiro arrecadado em uma campanha na internet é integralmente usado para a compra de materiais para as brincadeiras com as crianças.

Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho de Lelé o site é ohttp://letsplaygroup.com e quem quiser contribuir com a causa o site é owww.gofundme.com/childhoodrescue.

2
Lelé brinca com crianças refugiadas em campo na Grécia
3
Eliana Maeda e Lelé levaram brinquedos para as crianças
4
Criança síria se diverte com o peão
5
Garota síria se diverte com o peão

Todas as fotos: Childhood Rescue Project

(via AcheiUSA)

Tags:
CaridadeexemploRefugiados
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira reza todos os dias às 3h ...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
6
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia