Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Brasil muda a cor do mapa político da América Latina

© DR
Compartilhar

A batalha pelo impeachment de Dilma Rousseff não só põe fim a 13 anos de governo do PT, como também representa um grande retrocesso para a “maré vermelha” da esquerda na América Latina.

Passaram quase duas décadas desde que a esquerda avançou e tomou o poder na América Latina com a promessa de uma nova política para um novo século.

A chamada “maré rosa” – por ser mais moderada do que os vermelhos comunistas revolucionários da Guerra Fria – alcançou 15 países, a começar pela Venezuela com a eleição do falecido Hugo Chávez, em 1998.

Mas foi o Brasil que verdadeiramente tingiu de vermelho o contingente com o carismático e popular Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, sua afilhada política, quando o PT chegou ao poder em 2010.

Lula – um metalúrgico e ex-líder sindical – e Dilma – uma ex-guerrilheira que foi presa e torturada durante o regime militar (1964-1985) – mudaram e revitalizaram a imagem da velha esquerda latino-americana e seu modelo foi admirado em boa parte do planeta.

Combinando políticas ortodoxas e amigáveis ao mercado com programas sociais revolucionários, Lula sonhou com um Brasil de classe média impulsionado pelo consumo. Este sonho, no entanto, foi frustrado.

‘Boom’Lula teve a sorte de chegar ao poder com o ‘boom’ dos mercados emergentes nos anos 2000, quando a demanda voraz da China impulsionou os preços das matérias-primas, cortando a dependência do crédito externo.

Quando passou o poder a Dilma após dois mandatos, o Brasil registrava um crescimento de 7,5% e mais de 40 milhões de brasileiros haviam saído da pobreza.

Na América Latina, os que superaram a linha da pobreza somaram 75 milhões em uma década.

“Havia essa sensação de que a América Latina finalmente estava emergindo”, disse à AFP William LeoGrande, cientista político da American University de Washington.

Mas tudo desmoronou, não só para o Brasil, mas para toda a região, que amarga seu segundo ano de recessão.

“A ilusão era que seria fácil”, disse LeoGrande à AFP. “Mas claramente a dependência das matérias-primas é maior do que alguns pensavam”.

Más notíciasPara a esquerda brasileira, a saída de Dilma Rousseff do poder não é outra coisa que a estratégia da direita para recuperar o governo e, daí, atacar os avanços dos últimos treze anos no Brasil.

Mas o certo é que as más notícias foram se acumulando para a esquerda latino-americana, embora todos os especialistas coincidam em que não se pode colocar no mesmo saco os projetos do petismo brasileiro com os do chavismo ou do Kirchnerismo.

Mauricio Macri, de centro-direita, venceu as eleições presidenciais na Argentina em novembro do ano passado, pondo um fim à era kirchnerista (2003-2015).

Outros reveses se seguiram. Na Venezuela, a oposição obteve maioria parlamentar de três quintos nas eleições legislativas de dezembro. Rico em petróleo, o país está à beira do colapso econômico, com Nicolás Maduro, o sucessor de Chávez, brigando contra um referendo revogatório que quer tirá-lo do poder.

Na Bolívia, o líder cocaleiro indígena Evo Morales perdeu uma consulta em fevereiro sobre a possibilidade de se candidatar a um quarto mandato na Presidência, enquanto no Equador, o economista de esquerda Rafael Correa flertou com a ideia de um terceiro mandato, mas desistiu diante da queda nas pesquisas.

Muitos destes governos deram ênfase à redistribuição, mas faltou-lhes fomentar a criação de riqueza e o investimento.

Além disso, uma série de escândalos de corrupção alimentaram o mal-estar na população.

Até mesmo a moderada chilena Michelle Bachelet viu sua imagem desabar nas pesquisas depois que seu filho foi flagrado em um escândalo.

Rosa demais?A saída do poder do PT de Lula e Dilma muda definitivamente os ventos na região.

Dilma Rousseff é acusada de autorizar gastos sem o aval do Congresso e adiar pagamentos aos bancos públicos para melhorar as contas e continuar financiando programas sociais no ano de sua reeleição e no começo de 2015.

Mas a rigor, é considerada culpada pela pior recessão brasileira em 80 anos e pelo escândalo de corrupção bilionário na Petrobras.

Lula, que poderia voltar ao cenário político em 2018, enfrenta agora acusações de corrupção no caso do Petrolão e corre o risco de ver da prisão as eleições presidenciais.

Alguns de seus seguidores consideram que o Partido dos Trabalhadores (PT) ficou muito rosa, coligando-se a partidos que só queriam acesso aos fundos públicos para benefício próprio.

O PT “lentamente foi isolando suas bases, interrompeu a formação de novos líderes, aliando-se a partidos de centro e direita para garantir a ‘governabilidade’ e teve importantes personalidades envolvidas na corrupção para cobrir os altos custos das campanhas eleitorais”, explicou à AFP José Oscar Beozzo, um teólogo de esquerda.

A nova direitaSe a chegada ao século XXI foi um novo começo para a esquerda após um século XX que a condenou à marginalização com golpes de Estado, invasões e governos militares, frequentemente com o apoio dos Estados Unidos, a região pode estar vivendo agora o surgimento de uma nova direita.

Apesar do reiterado argumento de Dilma de que o impeachment não passa de “um golpe”, a região trilhou um longo caminho desde a Guerra Fria, quando os golpes de Estado eram literais.

O surgimento de uma direita latino-americana mais pragmática, comprometida com a democracia e uma agenda social é algo novo, disse John Coatsworth, reitor da Universidade Columbia, em Nova York, e especialista em história latino-americana.

“Por mais de dois séculos, a direita latino-americana era profundamente desconfiada das instituições democráticas e conspirava sempre que lhe era conveniente para socavá-las ou derrubá-las”, destacou.

A boa notícia para a esquerda, acrescentou, é que a direita nunca provou ser melhor na gestão das crises econômicas.

E lembrou: “os partidos de centro-direita e de direita que estão se beneficiando do colapso da esquerda em toda a América Latina sofreram eles mesmos um colapso similar há uma década”.

(AFP)

Aleteia Top 10
  1. Lidos