Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

“Não a visões da feminidade contaminadas por preconceitos”, clama o Papa

© Antoine Mekary / ALETEIA
Compartilhar

Por Andrea Tornielli

“Todos somos colocados em alerta, também as comunidades cristãs, com as visões da feminidade contaminadas por preconceitos e suspeitas prejudiciais à dignidade inviolável da mulher”. Foi o que disse o Papa, durante a audiência geral na Praça de São Pedro, comentando o Evangelho de Mateus que conta o episódio da “hemorragia”, a mulher que sofria perdas de sangue e que conseguiu tocar a borda do manto de Jesus, que se virou para ela, a animou, e a curou. Um comportamento que, explica Francisco, “indica à Igreja o caminho que deve cumprir para ir ao encontro de cada pessoa”.

A mulher, disse o Papa, “se aproxima para tocar a borda do manto” de Jesus, pensando: “Se conseguir só tocar no manto serei salva”. “Quanta fé! – comenta Bergoglio – Quanta fé tinha esta mulher! Avalia assim porque está animada pela fé e a esperança e com um pouco de astúcia realiza o que tem no coração. O desejo de ser salva por Jesus é tal que a empurra a desafiar as prescrições que a lei de Moisés estabelecia, porque ela era considerada impura, já que sofria fluxos de sangue. E, por isso, estava excluída das liturgias, da vida conjugal, das relações normais com o próximo”.

Era uma mulher “marginalizada da sociedade”. “É importante considerar esta condição de marginalizada – acrescenta Francisco – para entender seu estado de ânimo: ela sente que Jesus pode libertá-la da enfermidade, de seu estado. Sabe, sente que Jesuspode salvá-la. Este caso nos faz refletir como, muitas vezes, a mulher é percebida e representada: todos somos colocados em alerta, também as comunidades cristãs, com as visões da feminidade contaminadas por preconceitos e suspeitas que resultam prejudiciais à dignidade inviolável da mulher”. No entanto, recorda o Papa, “são justamente os Evangelhos que restabelecem a verdade e a reconduzem a um ponto de vista libertador”.

Não sabemos o nome da mulher, observa o Pontífice, “mas as poucas linhas dos Evangelhos que falam dela delineiam um itinerário de fé capaz de restabelecer a verdade e a grandeza da dignidade de cada pessoa”. No encontro com Cristo, “em cada mulher e cada homem”, está a “via da libertação e salvação”. O Evangelho de Mateus, observa Francisco, “diz que quando ela tocou o manto, Jesus se virou para ela e a viu: ela, temerosa, agiu nas suas costas para não ser vista, era impura. Jesus a viu e seu olhar não foi de reprovação: não disse: “saia daqui, você é impura!”. Não. Seu olhar é de misericórdia e ternura. Jesus não só a acolhe como também a considera digna de tal encontro, até o ponto de oferecer sua palavra e atenção”.

Na parte central da história, o termo “salvação” é repetido três vezes. “Esse ‘coragem, filha’ de Jesus – acrescentou Francisco – expressa toda a misericórdia de Deus por aquela pessoa e por todas as pessoas marginalizadas. Quantas vezes nos sentimos interiormente marginalizados por nossos pecados, temos tantos…, o Senhor nos diz: “Coragem, vem, para mim você não é um marginalizado, uma marginalizada. Coragem filha, você é um filho, uma filha”. Este é o momento da graça, do perdão, da inclusão”. Temos que “ter a coragem de ir até Ele e pedir perdão por nossos pecados e seguir adiante, com coragem, assim como fez esta mulher”.

Jesus, disse o Papa, “a liberta da necessidade de agir secretamente. Um marginalizado sempre age se escondendo de algo. Os leprosos, nós pecadores. Sempre fazemos algo secretamente, temos a necessidade de agir assim porque nos envergonhamos do que somos. Ele nos liberta, nos coloca em pé, assim como Deus nos criou: em pé, não humilhados”. Jesus, concluiu Francisco, “com seu comportamento pleno de misericórdia, indica à Igreja o caminho que deve cumprir para ir ao encontro de cada pessoa, para que cada um possa ser curado no corpo e alma e recuperar a dignidade dos filhos de Deus”.

Ao finalizar, o Papa cumprimentou alguns refugiados provenientes do Iraque e Oriente Médio, presentes na praça: “Que o Senhor os abençoe e os proteja do maligno”.

Aleteia Top 10
  1. Lidos