Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconAtualidade
line break icon

“Não a visões da feminidade contaminadas por preconceitos”, clama o Papa

© Antoine Mekary / ALETEIA

Vatican Insider - publicado em 01/09/16

Por Andrea Tornielli

“Todos somos colocados em alerta, também as comunidades cristãs, com as visões da feminidade contaminadas por preconceitos e suspeitas prejudiciais à dignidade inviolável da mulher”. Foi o que disse o Papa, durante a audiência geral na Praça de São Pedro, comentando o Evangelho de Mateus que conta o episódio da “hemorragia”, a mulher que sofria perdas de sangue e que conseguiu tocar a borda do manto de Jesus, que se virou para ela, a animou, e a curou. Um comportamento que, explica Francisco, “indica à Igreja o caminho que deve cumprir para ir ao encontro de cada pessoa”.

A mulher, disse o Papa, “se aproxima para tocar a borda do manto” de Jesus, pensando: “Se conseguir só tocar no manto serei salva”. “Quanta fé! – comenta Bergoglio – Quanta fé tinha esta mulher! Avalia assim porque está animada pela fé e a esperança e com um pouco de astúcia realiza o que tem no coração. O desejo de ser salva por Jesus é tal que a empurra a desafiar as prescrições que a lei de Moisés estabelecia, porque ela era considerada impura, já que sofria fluxos de sangue. E, por isso, estava excluída das liturgias, da vida conjugal, das relações normais com o próximo”.

Era uma mulher “marginalizada da sociedade”. “É importante considerar esta condição de marginalizada – acrescenta Francisco – para entender seu estado de ânimo: ela sente que Jesus pode libertá-la da enfermidade, de seu estado. Sabe, sente que Jesuspode salvá-la. Este caso nos faz refletir como, muitas vezes, a mulher é percebida e representada: todos somos colocados em alerta, também as comunidades cristãs, com as visões da feminidade contaminadas por preconceitos e suspeitas que resultam prejudiciais à dignidade inviolável da mulher”. No entanto, recorda o Papa, “são justamente os Evangelhos que restabelecem a verdade e a reconduzem a um ponto de vista libertador”.

Não sabemos o nome da mulher, observa o Pontífice, “mas as poucas linhas dos Evangelhos que falam dela delineiam um itinerário de fé capaz de restabelecer a verdade e a grandeza da dignidade de cada pessoa”. No encontro com Cristo, “em cada mulher e cada homem”, está a “via da libertação e salvação”. O Evangelho de Mateus, observa Francisco, “diz que quando ela tocou o manto, Jesus se virou para ela e a viu: ela, temerosa, agiu nas suas costas para não ser vista, era impura. Jesus a viu e seu olhar não foi de reprovação: não disse: “saia daqui, você é impura!”. Não. Seu olhar é de misericórdia e ternura. Jesus não só a acolhe como também a considera digna de tal encontro, até o ponto de oferecer sua palavra e atenção”.

Na parte central da história, o termo “salvação” é repetido três vezes. “Esse ‘coragem, filha’ de Jesus – acrescentou Francisco – expressa toda a misericórdia de Deus por aquela pessoa e por todas as pessoas marginalizadas. Quantas vezes nos sentimos interiormente marginalizados por nossos pecados, temos tantos…, o Senhor nos diz: “Coragem, vem, para mim você não é um marginalizado, uma marginalizada. Coragem filha, você é um filho, uma filha”. Este é o momento da graça, do perdão, da inclusão”. Temos que “ter a coragem de ir até Ele e pedir perdão por nossos pecados e seguir adiante, com coragem, assim como fez esta mulher”.

Jesus, disse o Papa, “a liberta da necessidade de agir secretamente. Um marginalizado sempre age se escondendo de algo. Os leprosos, nós pecadores. Sempre fazemos algo secretamente, temos a necessidade de agir assim porque nos envergonhamos do que somos. Ele nos liberta, nos coloca em pé, assim como Deus nos criou: em pé, não humilhados”. Jesus, concluiu Francisco, “com seu comportamento pleno de misericórdia, indica à Igreja o caminho que deve cumprir para ir ao encontro de cada pessoa, para que cada um possa ser curado no corpo e alma e recuperar a dignidade dos filhos de Deus”.

Ao finalizar, o Papa cumprimentou alguns refugiados provenientes do Iraque e Oriente Médio, presentes na praça: “Que o Senhor os abençoe e os proteja do maligno”.

Tags:
MulherPapaPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia