Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Refugiado morre ao queimar sua esposa na Alemanha

AFP PHOTO/ ALEXANDER KHUDOTEPLY
UKRAINE, Shaktarsk : A man walks, on July 17, 2014, amongst the wreckages of the malaysian airliner carrying 298 people from Amsterdam to Kuala Lumpur after it crashed, near the town of Shaktarsk, in rebel-held east Ukraine. The Malaysian airliner was shot down over Ukraine by a surface-to-air missile Thursday but it was unclear who fired the weapon, US officials told AFP. Intelligence analysts are reviewing data to determine whether the weapon was launched by pro-Moscow separatists in Ukraine, Russian troops across the border or Ukrainian government forces, said two US officials, who spoke on condition of anonymity. AFP PHOTO/ ALEXANDER KHUDOTEPLY
Compartilhar

Um homem de 45 anos que vivia em um abrigo de refugiados no oeste da Alemanha morreu nesta quinta-feira quando tentou queimar viva sua esposa, que ficou gravemente ferida, informou a polícia.

Este solicitante de asilo cuja nacionalidade não foi informada, e que era conhecido pela polícia, agrediu sua esposa porque ela queria abandoná-lo, segundo um comunicado da polícia.

O homem quis queimá-la viva, o que provocou um incêndio no centro de acolhida de Rüdesheim, onde viviam 14 pessoas. A mulher sofreu graves queimaduras e foi hospitalizada. O homem morreu, e outros dois moradores ficaram feridos.

A Alemanha acolheu 1,1 milhão de solicitantes de asilo no ano passado e espera 300.000 este ano. O fluxo de refugiados foi acompanhado por uma forte alta dos incêndios nos centros de acolhida, atribuídos em sua grande maioria à extrema-direita. Frequentemente também ocorrem incidentes entre os refugiados de diferentes etnias e religiões.

(AFP)