Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconReligião
line break icon

Origem de madre Teresa é fonte de disputa entre albaneses e macedônios

© JEFFREY BRUNO

KOLKATA, INDIA 2 SEPT: Images from Nirmala Shishu Bhavan (Home for Children) located on 78, A.J.C. Bose Road, Kolkata. The Sisters and volunteers provide medical care, housing and nourishment for chil

Agências de Notícias - publicado em 04/09/16

"Por sangue, sou albanesa; por minha nacionalidade, sou indiana. Por minha fé, sou uma religiosa católica", disse a madre

Quando o papa Francisco canonizar a madre Teresa neste domingo (4), albaneses e macedônios vão celebrar a nova santa, disputada pelos dois países, em uma discussão tão complexa quanto a História dos Bálcãs.

Por trás dessa batalha, subjazem as rivalidades étnicas e de identidade nacional entre albaneses e eslavos na região onde nasceu a religiosa dos pobres.

País de maioria muçulmana, a Albânia batizou seu aeroporto, um dos principais hospitais e uma praça em Tirana com o nome da freira. Uma escultura da religiosa domina – do lado albanês – o lago Ohrid, que separa ambos os países.

Na Macedônia, país de maioria ortodoxa, onde há uma forte minoria de albaneses, uma autoestrada e um hospital levam seu nome. Já a casa onde a missionária nasceu foi transformada em museu. A instituição recebe a visita de cerca de 500 pessoas por dia.

Kadare entra no debateDe nome secular – Agnes Gonxha Bojaxhiu -, madre Teresa nasceu em 26 de agosto de 1910, em Uskub (atual Skopje), uma cidade multicultural do Império Otomano. Skopje é, hoje, a capital da Macedônia, mas pertencia à Albânia. Sua mãe era uma albanesa, de uma família de Kosovo.

Já a origem de seu pai até hoje não está tão clara. Ele faleceu quando a religiosa ainda era criança. Os albaneses alegam que ele seria um dos seus, enquanto na Macedônia há os que sustentem a tese de que pertencia aos “valacos”, um povo eslavo ortodoxo dos Bálcãs.

“A madre Teresa nasceu em Skopje, mas nunca é designada como macedônia”, disse o historiador albanês Moikom Zeqo.

Ela “sempre falou de suas origens albanesas e de sua missão universal”, completou o especialista.

Os macedônios preferem fazer referência ao lugar onde ela nasceu, Skopje.

“Sabemos que é uma das nossas”, defendeu a diretora da Comissão Nacional de Comunidades Religiosas da Macedônia, Valentina Bozinovska.

Madre Teresa deixou sua terra natal no final da década de 1920 para seguir o noviciado na Irlanda. Depois, partiu para a Índia, em 1929. Desde então, a Segunda Guerra Mundial, a desintegração da Iugoslávia e os conflitos da década de 1990 convulsionaram a região dos Bálcãs.

Sua mãe e sua irmã deixaram Skopje para viver em Tirana na década de 1930, mas a religiosa foi proibida de entrar no país durante a ditadura comunista de Enver Hoxha. Pôde voltar apenas em 1989, quatro anos após a morte do ditador e um ano antes da queda do comunismo, para visitar o túmulo de seus entes queridos.

“A pessoa célebre pertence a toda a humanidade, mas também tem raízes, uma nação à qual estão vinculados por laços de sangue”, disse à AFP o escritor albanês Ismail Kadare.

Uma cidadã indiana

Para Maja Vaneska, uma macedônia de 28 anos, “ela nasceu aqui, foi criada aqui, viveu aqui, brincou com os amigos no lugar onde estamos. É um fato que é de Skopje”.

Nesse país, estão previstas várias atividades para celebrar sua beatificação, entre elas uma missa em 11 de setembro, com um enviado do papa. Além disso, o Banco Central vai cunhar uma moeda em sua homenagem.

Antes de sua morte em 1997, a religiosa visitou o país quatro vezes.

Para Valentina Bozinovska, a religiosa é um símbolo da “unificação cultural”, em um país em que pelo menos 25% da população é albanesa.

Nas palavras da própria madre: “por sangue, sou albanesa; por minha nacionalidade, sou indiana. Por minha fé, sou uma religiosa católica. Em relação ao que foi meu chamado, eu pertenço a este mundo. E, no que diz respeito ao meu coração, pertenço inteira ao coração de Jesus”, escreveu.

Quando a Albânia reivindicou seus restos mortais, Nova Délhi respondeu apenas que a religiosa “descansava em seu país, em sua terra”.

A polêmica desagrada à diretora do Memorial de Skopje, Renata Kutera Zdravkovska, que destaca o legado da religiosa.

“Acho que ela estaria realmente incomodada com esse tipo de debate”, lamentou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Madre TeresaSantos
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia