Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A caridade do Hospital do Papa às crianças africanas

AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI
ITALY, Rome : Pope Francis shakes hands as he leaves after his visit at the "Bambino Gesu" children's hospital on December 21, 2013 in Rome. AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI
Compartilhar

As dimensões são de uma cidade, mas habitada por crianças que buscam a cura e são assistidas por um grupo de trabalho de 2.600 profissionais entre médicos, enfermeiros, técnicos e pesquisadores. O Bambino Gesù de Roma, além de ser carinhosamente conhecido como o Hospital do Papa, é o maior Policlínico e Centro de Pesquisa Pediátrica da Europa, atendendo mais de 1 milhão e 500 crianças e adolescentes do mundo.

Hospital como obra de caridade

Depois da viagem de Francisco à República Centro-Africana, no início do Jubileu, o Hospital da Santa Sé decidiu adotar o Hospital Pediátrico da capital, de Bangui, para ajudar de forma concreta como Igreja. O projeto de apoio já efetuou uma série de intervenções urgentes, como a compra e a instalação de um gerador elétrico; já as salas da biblioteca e da Universidade de Medicina ainda devem ser reestruturadas. Além disso, deve ser criado um grupo de médicos locais que serão orientados – mesmo que a distância – pelo Hospital Bambino Gesù.

“O Papa me prometeu sua ajuda pessoal, ajuda econômica, e isso é também muito importante! Eu contei ao Papa do projeto; sabia que eu estive em Bangui. Contei que nós estamos ‘adotando’ esse hospital com a formação dos médicos, com a escola de especialização em pediatria, com a construção dos pavilhões dos médicos que são as tendas. Além disso, através da FAO, estamos realizando um projeto agrícola apoiado também pelo Ministério que pode se transformar num grande instrumento de trabalho para as pessoas. Eu disse ao Papa que para mim o Centro-África deve ser o exemplo de pessoas que não devem emigrar para a Itália, porque quando pensamos no país, procuramos fazer tudo para que eles possam permanecer: essa é a primeira grande acolhida que nós devemos dar”.

Audiência com o Papa

O testemunho é da presidente do hospital de Roma, Mariella Enoc, que foi recebida em audiência pelo Papa Francisco na manhã desta terça-feira (6). “Um encontro que me encheu de alegria e comoção. O Santo Padre me encorajou a prosseguir no meu empenho ao Bambino Gesù com confiança, rigor e determinação”, comentou Enoc, que está na presidência do hospital da Santa Sé há um ano e meio.

Durante o encontro, a presidente entregou um presente especial ao Papa: a foto da “Madonna di Bangui”, a representação de uma das mães africanas, com crianças nos braços, feita pelo fotógrafo Luigi Baldelli  para o projeto de apoio ao Hospital na República Centro-Africana.

Pequenos pacientes do mundo inteiro

A presidente também aproveitou a ocasião da audiência para contar sobre os resultados alcançados no âmbito da pesquisa e da assistência aos pequenos pacientes em Roma, com particular atenção às iniciativas de acolhida das famílias que vem de outras regiões e até do exterior para o Bambino Gesù.

Na próxima semana, em 15 de setembro, Francisco vai encontrar todos os funcionários do Hospital da Santa Sé em audiência na Aula Paulo VI.

(Rádio Vaticano)