Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Bento XVI teve amor de juventude ‘muito sério’, diz jornalista

@DR
Compartilhar

O papa emérito Bento XVI viveu em sua juventude um amor “muito sério” que tornou difícil sua “opção pelo celibato” e o sacerdócio, contou o autor de um livro de entrevistas com Joseph Ratzinger que será publicado na sexta-feira.

“Sim, teve um amor durante seus estudos que foi muito sério”, explica Peter Seewald em uma entrevista concedida ao semanário alemão Die Zeit, em sua edição de quinta-feira, a qual a AFP teve acesso nesta quarta-feira.

Contudo, este episódio amoroso não está no livro de entrevistas com Bento XVI, titulado “Conversas finais”, que será lançado na sexta-feira no mundo inteiro e em várias línguas, informa o Die Zeit.

Este amor “lhe causou muito tormento. Após a (Segunda) Guerra (Mundial), pela primeira vez houve meninas estudantes. Ele era realmente alguém muito elegante, um jovem bonito, um artista que escrevia poemas e lia (o prêmio Nobel de literatura alemã) Hermann Hesse”, prossegue Seewald.

“Um de seus companheiros de estudos me contou que (Joseph Ratzinger) impressionava as mulheres – e vice-versa. Decidir-se pelo celibato não foi algo fácil para ele”, afirma o jornalista, que não dá nenhuma outra indicação sobre quem foi este amor na juventude.

Seewald, autor de vários livros sobre o primeiro papa que renunciou a seu pontificado em sete séculos, destila nesta entrevista com o semanário alemão alguns detalhes sobre sua pessoa: é “viciado em informação”, gosta de ver os telejornais italianos todas as noites, e é fã dos filmes da série “Don Camilo e Pepón”.

Segundo o jornal Corriere della Sera, a obra também confirma a impressão de que Ratzinger, de temperamento tão reservado, não se sentia capaz de liderar os 1,2 bilhão de católicos (que há no mundo) e uma Igreja sacudida por lutas internas e escândalos, como o dos sacerdotes pedófilos.

Com 89 anos de idade, Bento XVI se recluiu após sua renúncia em 2013 em um monastério no Vaticano, e só faz aparições públicas muito esporadicamente.

(Com AFP)