Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Entendendo o estresse: sintomas, causas e tratamento

Compartilhar

E 11 dicas eficazes para controlar o estresse no dia a dia

Algumas vezes, acontecem coisas cuja causa o indivíduo desconhece. Uma queixa comum durante a psicoterapia é a seguinte: “Eu não entendo, tenho uma família linda, um bom emprego e mesmo assim, não me sinto feliz, estou sempre cansado(a), não tenho paciência com meus filhos, não tenho paciência com as pessoas ao meu redor, quase não aproveito os passeios, prefiro ficar em casa e quando estou em casa não tenho ânimo, só quero dormir”. Pessoas leigas poderiam sugerir que isso é “frescura”, mas atente-se ao sofrimento embutido nesse pequeno relato, os sintomas indicam que o indivíduo sofre com o estresse.

Sempre que o cérebro interpreta alguma atividade como ameaçadora, o organismo passa por diversos tipos de alterações que repercutem de diversas maneiras, e o organismo se adaptará a elas ou não. O estresse está ligado ao aumento do nível de cortisol na corrente sanguínea e este aumento, além de afetar a mente, pode levar a doenças físicas e psíquicas.

Além disso, o estresse pode ser de etiologia emocional, podendo se desenvolver devido à necessidade da pessoa de lidar com fatores externos ao organismo capazes de criar tensões patológicas. Os fatores externos muitas vezes estão ligados à ocupação profissional exercida, outras vezes, pode também estar ligado à escola, família e amigos.

O estresse também pode se desenvolver frente a condições internas capazes de atuar como geradoras de estados tensionais significativos. As fontes internas incluem a ansiedade, o pessimismo, os pensamentos disfuncionais, o padrão de comportamentos de pressa, a competição, a falta de assertividade, entre outros, capazes de gerar um estado de tensão com consequências físicas e psicológicas.

Apesar de mais frequente em adultos, estes sintomas podem se manifestar em indivíduos de todas as idades. O estresse desencadeia graves problemas, pois reduz o sistema imunológico do organismo, e conforme as vulnerabilidades das pessoas, surgem sintomas e doenças. É importante atentar-se aos sintomas, como:

SINTOMAS DE ESTRESSE PSICOLÓGICO:

  1. Ansiedade, angústia, nervosismo, preocupação em excesso;
  2. Irritação e impaciência;
  3. Problemas de concentração e de memória;
  4. Desorganização, dificuldade em tomar decisões;
  5. Cometer mais erros que o habitual;
  6. Sensação de perda do controle;
  7. Medo excessivo.

SINTOMAS FÍSICOS DO ESTRESSE

  1. Problemas cardíacos e gastrointestinais;
  2. Facilidade em ficar doente;
  3. Alergias, asma, insônia;
  4. Tensão muscular, mãos frias e suadas;
  5. Dor de cabeça ou enxaqueca;
  6. Problemas de pele;
  7. Queda de cabelo anormal.

Alguns autores acreditam que mudanças no estilo de vida das pessoas estão deixando-as debilitadas, e assim, vulneráveis ao estresse. Desta forma, a grande maioria dos indivíduos não sabe como lidar com suas fontes de tensão, o que gera o estresse.

Apesar de o estresse poder desencadear inúmeras doenças, ele também influencia na qualidade de vida e a produtividade do ser humano. Por qualidade de vida, entende-se bem estar físico, mental e social. Assim, uma criança com estresse diminuirá seu ritmo na escola e seu rendimento cairá. Num adulto, o estresse o levará a diminuir seu rendimento no trabalho, no meio familiar e social.

Mas existe tratamento para o estresse? Essa pergunta feita por diversos indivíduos tem uma resposta direta e simples: sim. O tratamento consiste em psicoterapia, onde o indivíduo aprenderá a lidar com o meio em que vive e com as diversas situações diárias. Assim, o psicólogo vai além da cura e alívio dos sintomas, fazendo com que o indivíduo entenda o processo em que está inserido e o que o leva a sofrer com o estresse, compreendendo os fatores externos e internos, podendo decidir o que pode ser melhor para a sua vida.

Em casos mais graves, o Psicólogo poderá indicar também um médico para um tratamento medicamentoso.

DICAS PARA CONTROLAR O ESTRESSE

Além disso, algumas dicas importantes para lidar com o estresse são:

1.  É importante identificar algumas situações desencadeadoras do estresse e aprender a lidar com elas;
2. Aprenda a dizer “não”;
3. Expresse os seus sentimentos e seja assertivo;
4. Evite pessoas e situações que lhe causam estresse;
5. Controle o seu ambiente (ou seja, se as notícias do jornal lhe causam estresse, desligue a TV; se um lugar lhe causa estresse não vá mais; se um caminho lhe estressa, mude o caminho… Claro que nem sempre é possível controlar o seu ambiente, mas controle-o quando puder);
6. Administrar melhor o tempo definindo tarefas, objetivos, prioridades e lazer;
7. Foque no positivo e construtivo, ou seja, lembre-se que você tem capacidade para lidar com situações difíceis;
8. Dê ao lazer a devida importância, ou seja, assim como trabalhar, é também importante dedicar um tempo ao lazer e às atividades com família e amigos;
9. Praticar alguma atividade física regularmente, pois foca a atenção em outra situação e libera endorfina na corrente sanguínea, levando ao bem-estar;
10. Tenha uma dieta saudável, evite drogas, cigarros e bebidas alcoólicas;
11. Durma o suficiente.

É sempre importante se conhecer, se atentar aos sinais que seu corpo e mente demonstram diariamente. Se você se sente assim, se identifica com os sintomas, ou se conhece alguém que sofre com eles, consulte ou indique o Psicólogo devidamente qualificado. Cuide de sua saúde mental, assim como cuida de sua saúde física. Lembre-se, o melhor investimento é aquele que você faz em você mesmo, em busca do seu bem estar.

(Fernanda Cândido, via Psiconlinews)