Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Idoso de 90 anos ainda vende picolés para sobreviver… Até que um estranho resolveu ajudar

ABC
Compartilhar

E o resultado revela gestos edificantes de solidariedade - das pessoas e do próprio idoso

Fidencio Sánchez tem 90 anos e, todos os dias, saía para vender picolés em Chicago, nos Estados Unidos. Ele ganhava, assim, cerca de 50 dólares por dia – aproximadamente R$ 165 no câmbio nominal, mas, com o custo de vida norte-americano, é mais ou menos como ganhar R$ 50,00 no Brasil.

Certo dia, um homem o viu e se perguntou: Nessa idade, alguém ainda deveria precisar vender picolés para sobreviver?

fidencio2

A situação de Fidencio é esta: ele está aposentado há pouco tempo, mas a sua esposa está doente, a única filha do casal faleceu e ele foi obrigado pela vida a cobrir despesas que vão muito além das suas possibilidades.

O homem que teve a sensibilidade de prestar atenção à triste realidade de Fidencio fotografou o idoso e criou para ele uma campanha de arrecadação de fundos no site colaborativo GoFundMe. Ele pretendia levantar 3 mil dólares para ajudar o vendedor de picolés, mas a campanha sensibilizou tanta gente que mais de 6.500 pessoas resolveram ajudar. Resultado:  141 mil dólares!

O benfeitor, que se apresentou apenas com seu sobrenome, Macías, pretende entregar o dinheiro pessoalmente a Fidencio num encontro que será transmitido ao vivo pelo Facebook, a fim de comprovar que todo o dinheiro seja de fato entregue a ele.

fidencio3

E o que Fidencio vai fazer com o valor doado?

Ele já anunciou que uma parte do dinheiro será repassado a uma igreja no México e outra em Chicago; outra parte vai para os netos; outra vai para o tratamento da esposa. Mas ele não quer parar de trabalhar!

Pelo menos ocasionalmente, Fidencio pretende continuar saindo às ruas para vender seus picolés, porque não quer ficar “sem fazer nada”!

fidencio4