Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Acampamento com 2.000 migrantes é desmantelado em Paris

Migrantes aguardam para desembarcar depois de serem resgatados, no porto de Salerno, Itália, no dia 5 de maio de 2015

Compartilhar

A polícia francesa desmantelou nesta sexta-feira um acampamento provisório no norte de Paris, onde ao menos 2.000 migrantes viviam em condições deploráveis, constatou um jornalista da AFP.

Os migrantes, em sua maioria sudaneses, afegãos e eritreus – incluindo mulheres e crianças – eram retirados em ônibus.

Este acampamento já havia sido desmantelado no dia 17 de agosto. Um total de 700 pessoas foi transferida a centros de acolhida. Mas, desde então, centenas de migrantes voltaram a se instalar em barracas ou em simples colchões no chão.

“Há muitas famílias com crianças, mais que de costume. É claro que vamos nos encarregar delas”, declarou à AFP a ministra francesa de Habitação, Emmanuelle Cosse, presente durante a operação.

Os migrantes serão levados em meia centena de ônibus a centros de acolhida na região parisiense.

Ibrahim, um sudanês que vivia há um mês neste acampamento, disse à AFP que queria entrar em um dos ônibus para “ir para qualquer lugar, mas não aqui. Dormir na rua é difícil. Choveu, estou cansado, quero descansar”, contou.

No dia 22 de julho, cerca de 2.500 migrantes foram retirados de um acampamento localizado no norte da capital, no que representou a operação de maior envergadura deste tipo realizada até agora na capital francesa.

Para oferecer uma alternativa a estes migrantes, a prefeitura de Paris prepara um primeiro centro de acolhida no norte da capital que abrirá suas portas em meados de outubro.

O centro, exclusivamente para homens e com uma capacidade para 600 pessoas, será um lugar de passagem, onde os migrantes poderão se beneficiar de atendimento médico, ajuda psicológica e conselhos jurídicos antes de ser orientados a outras estruturas.

Outro centro para mulheres e crianças, de 350 lugares, abrirá as portas no fim do ano na periferia sul de Paris.

(AFP)