Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Farc: 52 anos de conflito que marcaram a sangue história da Colômbia

Cuban Rodolfo Benitez (L) and Norwegian Dag Nylander R), guarantors in the FARC-EP and Colombian government peace talks, read a statement, on May 27, 2015 in Havana, about the position of both countries in relation with the current situation between FARC and Colombian Army. AFP PHOTO/ADALBERTO ROQUE

Compartilhar

As Farc marcaram a sangue e fogo a história da Colômbia nos últimos 52 anos, em uma luta pelo poder pela via armada.

Relembre abaixo os principais momentos do confronto entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo colombiano:

– 1964: a fundação

O dia 27 de maio de 1964 é considerado a data fundacional das Farc. Foi quando aconteceu o primeiro combate de um grupo de camponeses, liderados por Pedro Antonio Marín, mais conhecido por seu nome de guerra Manuel Marulanda Vélez (“Tirofijo”). Eles resistiam à ofensiva militar em Marquetalia, no centro da Colômbia, considerada pelo governo conservador de Guillermo León Valencia como uma “república independente” de influência comunista.

– 1984, 1991, 1999: os processos de paz frustrados

A primeira tentativa de negociação de paz entre governo e Farc começou em 28 de março de 1984, quando o presidente Belisario Betancur e a guerrilha instalaram uma mesa de diálogo em meio a uma trégua bilateral. Essas conversas fracassaram em 1987, assim como outras duas, iniciadas em 1991 com o presidente César Gaviria e, em 1999, com o presidente Andrés Pastrana. Esse último processo, que durou até 2002, foi conhecido como “Diálogos do Caguán”, em referência à essa região de 42.000 km2. O presidente ordenou a desmilitarização dessa área no sul do país para que a guerrilha se concentrasse durante as discussões.

– Anos 1990: a escalada rebelde

Os anos 1990 foram marcados por uma estratégia de guerra das Farc que incluiu ataques a povoados, a bases militares e a quartéis de Polícia. Também recorreram ao sequestro de civis para a cobrança de resgates. Marcaram essa época a tomada da cidade amazônica de Mitú em 1998 – com 37 mortos e 61 policiais caídos em poder dos rebeldes – e o massacre de Bojayá em 2002, onde morreram 79 pessoas em uma igreja, na qual tentavam se proteger dos combates.

Talvez o fato do qual o mundo mais se lembre seja o sequestro, em 2002, da pré-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, libertada seis anos depois pelo Exército. Seu cativeiro se transformou no símbolo do drama de civis, policiais e militares feitos reféns na Colômbia. Alguns ficaram em poder dos rebeldes por até dez anos.

– Anos 2000: o Plano Colômbia e a ofensiva oficial

Em 2000, os Estados Unidos e o governo de Pastrana lançaram o “Plano Colômbia”, uma estratégia contra o narcotráfico ampliada para a luta contra a guerrilha. Graças ao plano, em 15 anos foram enviados US$ 10 bilhões em fundos americanos para equipamento militar e para treinamento no país sul-americano. Assim, abriu-se uma década de forte ofensiva oficial contra as Farc, liderada pelo presidente Álvaro Uribe (2002-2010). Durante seu mandato, o comando das Farc sofreu duros golpes. Em 2008, além da morte (que teria ocorrido por causas naturais) de “Tirofijo”, mataram Raúl Reyes, o responsável internacional da guerrilha, em uma operação do Exército colombiano no Equador. A estratégia de cortar a cabeça da guerrilha continuou com Juan Manuel Santos na Presidência. Primeiro, o chefe militar Jorge Briceño – conhecido como “Mono Jojoy” – morreu em 2010 em um bombardeio e, depois, em outra operação, realizada em 2011, foi a vez de Alfonso Cano, sucessor de “Tirofijo”.

– 2012: até o fim da confrontação

Depois da escalada militar, a pedido do presidente Santos e do novo líder das Farc, Rodrigo Londoño, identificado como Timoleón Jiménez (“Timochenko”), lançou-se um diálogo de paz, formalmente, em Oslo, em 18 de outubro de 2012. A mesa de negociações foi instalada em Havana, em novembro desse mesmo ano, com Cuba e Noruega como avalistas, e Chile e Venezuela, como acompanhantes.

– 2016: em 24 de agosto, as partes anunciaram ter alcançado um acordo de paz definitivo, que deverá ser referendado pelo povo colombiano em um plebiscito em 2 de outubro seguinte.

(AFP)