Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 01 Março |
São Félix III (II)
home iconAtualidade
line break icon

Tensão em Brasília diante da bomba-relógio Eduardo Cunha

Marcelo Camargo/ABr

Lixo de propaganda eleitoral acumulado nas ruas de São Paulo nas Eleições municipais de 2012

Agências de Notícias - publicado em 20/10/16

Michel Temer não seria presidente sem o impeachment arquitetado por Eduardo Cunha, mas se o antes poderoso deputado conservador, detido na quarta-feira pela Lava Jato, decidir revelar o que sabe sobre os labirintos da corrupção no Brasil, poderá se converter numa bomba para Brasília.

“Cunha tem um potencial destrutivo muito grande”, explica à AFP Alberto Almeida, diretor do Instituto Análise.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, um político experiente muitas vezes comparado ao personagem Frank Underwood, da série “House of Cards”, caiu nas redes do juiz Sérgio Moro, que investiga o Petrolão, e a possibilidade de negociar uma redução de pena através da delação premiada causa suores frios nos corredores do poder.

“Quem em Brasília estaria imune a uma delação premiada de Cunha?”, questiona o professor de Direito Ivar Hartmann, da Fundação Getúlio Vargas (FGV, Rio), ao recordar que a Lava Jato conseguiu colocar na prisão empreiteiros e políticos importantes de vários partidos e que também tem em sua mira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Três ministros de Temer já tiveram de renunciar por envolvimentos em escândalos com apenas um mês do novo governo.

Um deles, Romero Jucá, apresentou sua demissão como ministro do Planejamento depois de ter sido divulgada uma gravação na qual aparece afirmando que a destituída presidente Dilma Rousseff devia cair para “frear a sangria” causada pelas investigações da Petrobras.

A prisão de Cunha era esperada, mas vê-lo se transformar num delator, com seu profundo conhecimento interno do poder, não foi uma boa notícia para Temer, que foi surpreendido pela notícia durante sua visita ao Japão, embora o Planalto tenha negado versões de que ele teria encurtado a viagem por causa disso.

“Não duvido que, se Cunha tiver de escolher entre preservar a reputação de seu partido ou salvar sua pele, vai escolher salvar a própria pele”, opina Hartmann.

– Blindando Temer –

De fato, em setembro, depois de ser destituído por uma arrasadora maioria, Cunha, desafiador, anunciou que escreverá um livro sobre os pormenores do impeachment e recordou que outros 160 parlamentares têm problemas com a Justiça.

Também disparou contra alguns caciques do Executivo, como o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha; o secretário de Governo, Geddel Vieira Lima, e o secretário do programa de associações para investimentos, Moreira Franco.

Se Cunha decidir abrir a boca, “a crise pode afetar o núcleo do governo e isso levará a uma instabilidade política inevitável”, opina o analista político Marco Antonio Teixeira, da FGV de São Paulo.

E isso em um momento delicado, quando o Brasil atravessa a pior recessão em um século e Temer, que pretende ser o “salvador” da economia, quer reformar a Constituição para levar avante um ajuste fiscal que prevê o congelamento do gasto público por 20 anos.

Apesar de contar com o apoio dos mercados, sua legitimidade é questionada e sua popularidade é de apenas 14%.

A Presidência reagiu com cautela a respeito da prisão de Cunha.

“O governo tem zero preocupação ante uma eventual delação. Não interfere no caso Lava Jato e a prisão de Cunha é uma ação da Justiça, um poder independente”, declarou o secretário de Comunicação Social, Márcio Freitas, citado pelo portal de O Globo.

Em Tóquio, Temer também tentou diminuir a tensão, afirmando que “por ora, são apenas alegações” e que se, um dia, adquirirem consistência, “o governo verá o que fazer”.

“Mas se, cada vez que se menciona o nome de alguém [na Lava Jato], isso dificultar a ação do governo, haverá dificuldades”, admitiu.

Temer, afirma Hartmann, poderá ter de sacrificar outros colaboradores.

Ante a ameaça de Cunha, a reação lógica do governo será blindar Temer, porque perder outro ministro pode ter um custo aceitável, desde que o presidente não caia, conclui o analista.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
3
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
6
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
7
PRAY YOUNG
Arquidiocese de São Paulo
Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia