Aleteia
Quinta-feira 01 Outubro |
São Bavão de Gand
Para Ela

A causa mais comum dos divórcios? Não, não é a infidelidade

© CandyBox Images/Shutterstcok

Catholic Link | Aleteia Brasil | Out 26, 2016

Uma dica: o contrário do amor é o egoísmo. Vamos falar de dinheiro no relacionamento?

Misturar as palavras dinheiro e casamento é tão complicado quanto misturar política e religião. E é um problema real, hoje, para muitíssimos casais: fala-se cada vez mais do “meu” e do “teu” e cada vez menos do “nosso”.

Para a sociedade de hoje, dinheiro é poder. Esta premissa, no entanto, traz consequências devastadoras quando a transformamos em regra de convivência familiar.

Não vamos abordar aqui os casos de patologia, mas simplesmente a falta de generosidade e de vontade para compartilhar – ou o excesso de desejo de dominar.

O egoísmo é o pior mal que pode haver numa relação familiar. A pessoa egoísta não é egoísta só com seus bens materiais, mas também com a “quantidade” e a qualidade de amor que oferece à família. Por exemplo, é muito raro ver um avarento ser generoso com seu tempo. E essas personalidades focadas em si mesmas provocam problemas graves no matrimônio.

A falta de generosidade afeta vários âmbitos relacionais, como a comunicação, o espaço, o tempo, os olhares, a atenção, o carinho, o respeito… E a lista segue.

O egoísmo não é só dos outros: é bem provável que, em muitos casos, sejamos nós os egoístas – embora prefiramos apontar o dedo para o próximo. Um exemplo trivial, que foi (e ainda é) relativamente comum ao longo das últimas décadas: a esposa sai para fazer compras supérfluas sem considerar o valor do dinheiro nem se importar com as necessidades familiares reais que poderiam estar sendo cobertas. Por sua vez, de maneira igualmente tóxica, o esposo considera tudo prescindível e não gosta de oferecer à esposa nenhuma pequena satisfação material. Cada um está olhando para si próprio.

Ser generoso é olhar para o outro: mais especificamente, para a necessidade real do outro. Não é dar o que sobra, o que não exige esforço, mas também não é satisfazer caprichos.

Qual seria o modelo perfeito de gestão econômica num casamento?

Considerando que os dois cônjuges são responsáveis, podem ser de ajuda as seguintes dicas:

1 – Elaborar um orçamento familiar

Isto é imprescindível. Os dois precisam estar de acordo quanto aos gastos e priorizar o bem-estar da família. Com isto claro, os próximos passos são mais fáceis de seguir.

2 – Contas bancárias compartilhadas

Não importa quem ganha mais: todo o dinheiro gerado por ambos deve servir para o bem de ambos – e, obviamente, dos filhos. Se o orçamento familiar for usado corretamente, não deverá decorrer nenhum problema desta forma de organização bancária.

3 – Emergências e imprevistos

O orçamento familiar deve considerar uma reserva para imprevistos, e, quando eles surgirem, o casal deve discutir junto como enfrentá-los.

4 – Viagens e pequenos “luxos”

Se houver excedentes, o casal deve decidir junto como gastar esse dinheiro, que também faz parte do patrimônio familiar.

5 – Generosidade que vai além da família

Compartilhar com os outros, que podem ter necessidades inimagináveis, é um ato de amor que traz como principal benefício o crescimento e fortalecimento da própria família, porque nos leva a crescer na virtude e, portanto, a nos tornar pessoas cada vez mais plenas. Sempre existe alguém a quem podemos ajudar.

6 – Ter uma sensata escala de prioridades

O que vale mais: acumular dinheiro com avareza ou usá-lo com sabedoria para proporcionar experiências em família? Ou, em outro extremo, o que vale mais: gastar dinheiro como se não houvesse amanhã ou manter uma prudente reserva para o futuro? É sempre necessário ficar de olho no sadio equilíbrio.

Todos os casais podem e devem desterrar qualquer indício de egoísmo. Não é opcional. “O egoísmo fomentado pela sociedade de consumo e pelo comodismo deve ser contra-atacado pela entrega incondicional de quem age de modo responsável e generoso, como filho de Deus. Esta é a raiz de uma boa convivência familiar” (David Isaacs, em seu livro “Virtudes para a convivência familiar”).

_________

A partir de artigo da Catholic Link (em espanhol)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CasamentoDinheiroDivórciogenerosidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Com afastamento do pe. Robson, o Santuário de...
A12
3 armas fortes de São Miguel Arcanjo
Gelsomino Del Guercio
A misteriosa linha reta que une 7 santuários ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Silvia Lucchetti
Gestante com câncer recusa aborto: ela e o be...
SAINT MICHAEL
Arcanjo Miguel
15 de agosto: começa a Quaresma de São Miguel...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia