Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 06 Agosto |
Santo Hormisda
home iconAtualidade
line break icon

Batalha de Mossul se intensifica e preocupação com civis aumenta

© Allen Kakony

Agências de Notícias - publicado em 02/11/16

As organizações humanitárias alertaram nesta quarta-feira sobre o destino de mais de um milhão de civis encurralados na cidade iraquiana de Mossul, num momento de intensificação dos combates na periferia deste reduto do grupo Estado Islâmico (EI).

Os extremistas islâmicos tentavam resistir às forças de elite de contraterrorismo (CTS) na localidade de Gogjali, na saída de Mossul, constatou um jornalista da AFP.

O estalo de armas automáticas era ouvido na parte de trás da linha de frente, localizada a cerca de 600 m da segunda maior cidade do Iraque.

Na zona de Gogjali já libertada pelas forças do governo, um soldado iraquiano agitava uma bandeira negra da organização extremista. “Nós a retiramos e hasteamos a bandeira do Iraque no lugar”, explicou Mohammed Ali que, como seus companheiros, tenta expulsar os últimos jihadistas do vilarejo.

Os moradores da área começavam a sair às ruas depois de dias enclausurados em suas casas em razão dos combates.

Foi pelo sul de Gogjali que, de acordo com o exército, as forças iraquianas entraram na terça-feira em Mossul propriamente dita pela primeira vez desde a tomada da cidade pelo EI em junho de 2014.

Estas forças, apoiadas pela coalizão internacional liderada por Washington, ainda não estabeleceram uma base de operações na cidade. Mas a presença de soldados na aglomeração urbana marca o início da batalha de Mossul, segundo uma autoridade militar.

Em outras frentes, as forças iraquianas estavam nesta quarta-feira dois quilômetros ao norte da cidade, enquanto as que atacam a partir do sul se aproximam de Hamam al-Alil, cerca de 30 km de Mossul.

A maioria das autoridades acredita que a operação será longa, uma vez que o EI teve dois anos para se preparar para defender Mossul, onde o grupo extremista proclamou em junho de 2014 seu “califado”.

Entre 4.000 e 7.000 extremistas presentes na região (incluindo entre 3.000 e 5.000 em Mossul) já provaram que vão resistir ao máximo às dezenas de milhares de membros das forças iraquianas.

Desde 17 de outubro, as forças iraquianas já enfrentaram inúmeros ataques suicidas e disparos de morteiros.

‘Preparando para o pior’Na terça-feira, as forças iraquianas frustraram um ataque suicida graças a um transmissor de rádio tomado dos islamitas.

“Deixei (os suicidas) atrás do monte de terra. Assim que eles (as forças iraquianas) avançarem, eles (os suicidas) vão sair para encontrá-los”, disse um extremista por rádio, em uma conversa ouvida por um jornalista da AFP presente com o exército.

Um oficial, então, ordenou que dois veículos militares se aproximassem para fazer com que os suicidas saíssem de seu esconderijo e, em seguida, retrocedessem para deixá-los expostos a ataques. Um ataque aéreo selou seu destino.

Agora que as forças iraquianas estão em posição de iniciar o combate em áreas densamente povoadas, as organizações humanitárias se preparam para uma fuga em massa dos habitantes e pedem a abertura de corredores seguros para evacuá-los.

Mais de 20.000 pessoas já foram deslocadas desde 17 de outubro, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Mas esse número deverá explodir em breve.

“Estamos nos preparando para o pior. As vidas de 1,2 milhão de civis estão em grave perigo e o futuro do Iraque como um todo está em jogo”, alertou o diretor para o Iraque do Conselho Norueguês de Refugiados (NRC).

“Os habitantes viveram por quase dois anos e meio um terrível pesadelo. Todos nós temos agora a responsabilidade de colocar um fim a isso”, acrescentou Wolfgang Gressmann.

Segundo ele, “famílias foram separadas, muitos civis feridos e outros mortos por franco-atiradores ou explosivos” desde o início das operações de Mossul.

A ONU expressou na terça-feira “séria preocupação” sobre o destino de dezenas de milhares de civis que o EI sequestrou para possivelmente usá-los como escudos humanos.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
CONFESSION
Philip Kosloski
Pecados que a maioria dos padres não pode absolver
6
BAPTISM
Reportagem local
Padrinhos de batismo e consagração: existe diferença entre eles?
7
Cura d'Ars
Aleteia Brasil
São João Maria Vianney, o “santo burro” e sua respost...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia