Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

O zika, doença ‘negligenciada’ pelos países ricos

Agências de Notícias - publicado em 08/11/16

Um ano após a explosão de casos de zika vírus na América Latina, a doença continua a ser “negligenciada” mundialmente, principalmente pelos países ricos, mas “é um risco subestimar este vírus”, cujas complicações podem ser mortais, alerta a especialista brasileira Adriana Melo.

Primeira a estabelecer a ligação entre o zika e os casos de microcefalia em bebês nascidos de mães infectadas, a médica lança um apelo para “estudar melhor esta doença que veio para ficar”.

“O zika é uma doença negligenciada no Brasil e no mundo. Devemos lembrar que hoje sabemos que existem outras vias de transmissão (por contato sexual) e que pode surgir em qualquer lugar e em qualquer país”, alerta Adriana Melo, em entrevista à AFP, paralelamente a uma reunião de especialistas internacionais no Rio de Janeiro para fazer um balanço das pesquisas relacionadas à doença.

“Esta é uma doença que não interessa a muitos países ricos, porque acreditam que ela não chegará até eles, mas é um risco subestimar este vírus. Tenho muito medo de vírus”, alerta, acrescentando que o Brasil continua sob a ameaça de muitos vírus, incluindo a “febre Mayaro, já presente na Amazônia”.

Ela lamenta que há “poucos estudos clínicos sobre o zika em comparação com estudos de laboratório”, recordando que este vírus pode resultar não apenas na microcefalia em bebês (perímetro craniano menor que o normal, que leva a um atraso no desenvolvimento), mas também em uma síndrome neurológica grave, a síndrome de Guillain-Barré em adultos, as duas potencialmente fatais.

O Brasil tem sido até agora o país mais afetado pela epidemia de zika, com cerca de 1,5 milhão de pessoas infectadas e 2.079 bebês nascidos com uma malformação do cérebro, de acordo com dados oficiais. Há também 3.077 casos que ainda estão sob estudo.

Por enquanto, não existe tratamento nem vacina para a doença.

Outros países do continente, como a Colômbia, Venezuela e, em menor medida, México e Argentina, também são afetados. Os Estados Unidos registraram pela primeira vez em julho casos de contaminação na Flórida.

‘Condições ideais’ no BrasilMelo recomenda aproveitar “a calmaria após o surto de 2015 para que evoluam as pesquisas sobre este vírus”, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, também vetor da dengue e chikungunya.

“A redução do número de casos não significa que o vírus não exista mais. Nós ainda sabemos muito pouco” a seu respeito. “Não se sabe se o vírus pode se reativar ou mutar, como no caso da dengue, que possui hoje quatro subtipos”, afirma a especialista.

Casos da doença vem aparecendo desde 2013-2014 na Polinésia Francesa, mas “como este é um país pequeno, não atraiu a atenção internacional”, ressalta.

No Brasil, país de tamanho continental, “o vírus encontrou condições ideais” para se espalhar, especialmente nos estados pobres do nordeste, onde há problemas de saneamento básico e uma seca severa.

“A população estava armazenando água”, e a água parada é ideal para a proliferação do mosquito, lembra a pesquisadora. “Mas não sabemos por que houve esse número terrível de casos no nordeste e tão poucos no Rio de Janeiro, onde ainda há muitas favelas” em condições precárias.

Foi no final de setembro de 2015 que a médica constatou em uma de suas pacientes que havia feito todos os ultrassons uma alteração no cerebelo do feto na 20ª semana de gravidez.

“Duas ou três semanas depois, a cabeça do bebê não tinha crescido, e eu comecei a ver calcificações. No mesmo dia, veio a notícia de 60 casos de bebês com microcefalia em Pernambuco (nordeste). Eu telefonei para a minha paciente e ela me disse que tinha tido zika”.

Melo entrou em contato com a Fundação Oswaldo Cruz para realizar exames do líquido amniótico de sua paciente.

“Coletei o líquido em 10 de novembro e no dia 17, a presença do vírus zika no líquido amniótico foi confirmada oficialmente”, diz.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia