Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Outubro |
Santo Antônio de Sant’Anna Galvão 
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Famílias tentam fugir de bairros sitiados de Aleppo

<p>Família de refugiados sírios de Aleppo em barraca no distrito Uskudar de Istambul, em 8 de março de 2014</p>

Agências de Notícias - publicado em 23/11/16

Uma centena de famílias tentava fugir da parte sitiada de Aleppo, enquanto as tropas do governo continuam avançando nesta área rebelde da segunda cidade da Síria, que querem reconquistar a qualquer preço.

Em meio à impotência internacional diante da determinação de Damasco e seus aliados russo e iraniano de acabar com toda a resistência de Aleppo, a França anunciou que irá reunir em dezembro os países ocidentais e árabes que apoiam a oposição síria.

O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault, disse que era “urgente reagir” depois que o governo de Bashar al-Assad lançou há mais de uma semana uma grande ofensiva para reconquistar o leste de Aleppo, onde 250.000 civis estão sitiados.

Nesta parte, “uma centena de famílias se juntou na terça-feira à noite perto da divisão entre os bairros Bustan al-Basha (rebelde) e Sheikh Maqsood “, indicou à AFP Rami Abdel Rahmane, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Sheikh Maqsood é uma região ao norte da cidade nas mãos das forças curdas, que não apoiam nem o regime nem os rebeldes. Ela está localizada entre o oeste de Aleppo, sob o comando do governo, e a parte leste, controlada pelos rebeldes.

“Mas quando os civis tentavam passar para o outro lado, escutaram disparos”, indicou Abdel Rahmane, que afirma se basear em fontes presentes no local.

“Reféns e escudos humanos”Autoridades governamentais de Aleppo informaram que dez pessoas passaram na noite de terça-feira aos bairros do oeste da cidade, em um comunicado publicado no Facebook, que não detalhou como os civis conseguiram ir para o outro lado.

O governo sírio acusou na terça-feira os rebeldes de reterem 250.000 civis do leste de Aleppo para “utilizá-los como reféns e escudos humanos”.

Determinado a qualquer preço conseguir a rendição da parte rebelde da cidade, cujo controle perdeu em 2012, o governo lançou panfletos pedindo aos rebeldes que deixassem a cidade, mas que permitissem que “os civis que desejassem partir” também o fizessem.

“Desejam utilizá-los como reféns e escudos humanos”, afirmou o Exército.

Um grupo rebelde questionado pela AFP, Noredin al-Zinki, refutou as acusações qualificando-as como “boatos” espalhados pelo governo de Damasco.

“Essas informações não têm nada a ver com a realidade (…) O governo tenta a qualquer preço espalhar boatos para conter a determinação dos revolucionários e de quem os apoiam no seio da população de Aleppo”, assegurou Yaser al-Yusef, do escritório político do grupo.

Há mais de uma semana, o Exército avança rapidamente no bairro de Masaken Hanano, o qual controla “quase metade”, segundo Abdel Rahmane.

A tomada de Masaken Hanano permitiria ao governo cortar a parte rebelde de Aleppo em duas, isolando o norte do sul.

Dezenas de vítimas civisNo total, 143 civis, incluindo 19 crianças, morreram no leste de Aleppo em uma semana, e outros 16 civis, entre eles 10 crianças, morreram no oeste da cidade, como consequência dos disparos de rebeldes, segundo o OSDH.

O avanço das forças governamentais aumenta o desespero da população dos bairros nas mãos dos rebeldes em 2012. Seus habitantes não têm recebido abastecimentos de alimentos e nem são socorridos há mais de quatro meses.

O chefe das operações humanitárias da ONU, Stephen O’Brien, também denunciou o cerco de Aleppo, cujos habitantes “estão isolados, famintos, e estão sendo bombardeados para obrigá-los a se renderem ou fugir”.

“É uma tática deliberada, uma forma cruel de castigo coletivo”, sentenciou.

O Exército russo afirmou ter provas de que os rebeldes de Aleppo utilizam armas químicas e ofereceu fornecê-las à Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq).

A guerra na Síria, que já matou mais de 300.000 pessoas desde 2011, não parece mobilizar o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em entrevista na terça-feira ao New York Times, Trump se limitou a dizer que, sobre a Síria, ele tinha “uma perspectiva diferente da de todo mundo”.

(AFP)
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
2
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
3
Papa Francisco São José Menino Jesus
Ricardo Sanches
A oração a São José que o Papa Francisco reza todos os dias há 40...
4
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
5
São João Paulo II
Reportagem local
A última frase de São João Paulo II antes de partir desta vida
6
Ary Waldir Ramos Díaz
O papa que enfurece o diabo: São João Paulo II fez exorcismo dent...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia