Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A comovente carta do Papa Francisco a uma menina com câncer terminal

©ServizioFotograficoOR-CPP
Compartilhar

Francisco pediu à menina que lesse “esta carta junto com a sua mãe, e o beijo que ela lhe dará neste momento, será o beijo do Papa”.

O Papa Francisco conquistou mais uma vez os corações de todo o mundo com uma comovente carta dirigida a uma menina italiana, que agonizava por causa de um câncer. A missiva foi publicada recentemente, depois de ter sido lida no funeral da pequena.

“Querida Paolina, suas fotos estão na minha escrivaninha, porque em seu olhar tão especial vejo a luz da bondade e da inocência. Obrigado por enviá-las!”, escreveu o Santo Padre no começo da sua carta.

Francisco pediu à menina que lesse “esta carta junto com a sua mãe, e o beijo que ela lhe dará neste momento, será o beijo do Papa”.

Originalmente publicada no site italiano “Il Faro di Roma”, a carta é do dia 22 de setembro e está dirigida a Paolina Libraro, que aos 10 anos sofria de um câncer muito avançado.

A mãe da menina escreveu ao Papa, pedindo que abençoasse e rezasse pela sua filha. O Santo Padre respondeu a esta carta e lhes enviou entradas preferenciais para a sua audiência geral do dia 26 de outubro, onde lhe daria sua bênção pessoalmente.

Entretanto, Paolina, que é do sudeste da Itália, de uma cidade chamada Massafra, estava muito doente e frágil para viajar e não pôde chegar ao Vaticano. A menina faleceu no dia 22 de novembro e foi enterrada no mesmo dia.

A Missa de exéquias foi celebrada na igreja de São Leopoldo Mandic e foi presidida pelo Pe. Michele Quaranta. Quase toda a população esteve presente, inclusive o prefeito da cidade, Fabrizio Quarto.

Em sua homilia, o Pe. Quaranta leu a carta do Papa, na qual o santo Padre assegurava a Paolina que “uno as minhas mãos às suas e às mãos daqueles que estão rezando por você”.

“Desta forma faremos uma longa corrente de oração, que com certeza, chegará ao céu”, disse o Papa Francisco em sua carta e pediu à menina que lembrasse “que o primeiro elo desta corrente é você, porque Jesus está no seu coração! Lembre-se disto!”.

O Papa pediu a Paolina que fale com Jesus não só sobre ela, mas também sobre seus pais, “que necessitam tanto ser ajudados e consolados diante dos difíceis passos que estão enfrentando”.

“Certamente você será muito boa sugerindo a Jesus o que pode fazer por eles”, disse o Papa e pediu a Paolina que dissesse a Jesus “o que deve fazer por mim também, enquanto eu o recordarei o que deve fazer por você”.

“Dou-lhe um abraço muito forte e a abençoo com todo o meu coração, aos seus pais e aos seus entes queridos”, disse Francisco e assinou ele mesmo a carta.

O Santo Padre é conhecido por fazer telefonemas pessoais e enviar mensagens àqueles que o procuram, muitas vezes, para surpresa de quem recebe suas cartas ou escuta a sua voz do outro lado da ligação.

Também se sabe que Francisco leva em seu bolso coisas que considera especiais ou importantes, incluindo um rosário e uma Via Sacra de bolso.

Outra coisa que o Papa disse que tem em sua escrivaninha, porque tocou seu coração, é um desenho que um menino lhe deu durante sua viagem a ilha grega de Lesbos. Na imagem é possível ver muitas pessoas se afogando perto de um barco naufragado, enquanto o sol, em cima de todo, chora lágrimas de sangue.

 

(via ACIdigital)

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.