Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Julho |
Santo Inácio de Loyola
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Entrevista com Andrea Bocelli: entre as certezas da fé e o “abismo do vício”

Reprodução

Lucandrea Massaro - Aleteia Brasil - publicado em 16/12/16

O famoso tenor “se confessa”: Bocelli conta como vê o mundo e fala de sua experiência do pecado e da fé em Deus

Em uma longa entrevista concedida ao jornalista italiano Aldo Cazzullo, do Corriere della Sera, o tenor Andrea Bocelli fala da sua relação com a própria cegueira, vivida sem lamúrias, e de dois temas muito íntimos: a fé em Deus e o drama do “vício”. Alguns trechos da conversa:

Você tem fé?

“Sim. Acho evidente que a criação é um sistema inteligente. Uma pessoa razoável não pode confiar a vida ao acaso. Se eu vejo um edifício, tenho certeza de que alguém o construiu. Com mais razão ainda, o universo não pode ser fruto do acaso”.

Você também acredita na imortalidade da alma?

“Cem por cento. Quando meu pai morreu, eu tive, olhando para ele, a sensação fortíssima de que não tinha sobrado em seu corpo sequer um átomo dele. Nós somos o que está dentro desta ‘caixa’. Depois partimos para outro lugar”.

NOTA DA ALETEIA: É importante observar, porém, que, na doutrina cristã, o corpo físico faz parte indissociável da identidade única e irrepetível de cada pessoa humana. Para o cristianismo, nós não somos um “espírito preso a um corpo”: somos uma unidade de corpo e alma. Por isso a Igreja sustenta que, na vida eterna, seremos ressuscitados com o nosso corpo, plenificado em uma misteriosa forma gloriosa e imperecível, porque, sem ele, deixaríamos de ser nós mesmos. É devido a essa indissociável unidade psicossomática, aliás, que o corpo humano possui dignidade intrínseca.

Você nunca tem dúvidas?

“Tenho dificuldades para entender o sofrimento inútil e injusto. O sofrimento dos inocentes. As doenças das crianças”.

E qual é a resposta que você encontrou para isso?

“É uma ideia brilhante do maligno, para nos forçar a duvidar da existência de Deus”.

E quanto ao seu próprio sofrimento?

“A cegueira não me abalou muito. Sempre me senti em dívida com o mundo. Afortunado. Feliz”.

É verdade que, na juventude, você fantasiava amores impossíveis?

“Todos os amores eram impossíveis: no início, nenhuma garota me queria. Mas, desde a adolescência, sempre tive namorada”.

Por que o seu primeiro casamento terminou?

“Por falta de amor. Culpa minha, que era mais velho: ela só tinha 17, eu já tinha 30. Mas não consigo considerar um erro essa união da qual nasceram dois filhos maravilhosos, o Amos e o Matteo”.

NOTA DA ALETEIA: É importante, a este respeito, esclarecer para os leitores qual é a doutrina católica sobre casamento e divórcio. O matrimônio católico nunca pode ser considerado “terminado” a não ser em caso de falecimento. A Igreja permite a separação dos cônjuges em casos específicos, como os que envolvem necessidades graves de segurança e integridade física do cônjuge ameaçado e/ou dos filhos; mas não permite o divórcio: embora separados fisicamente, marido e mulher continuam casados perante Deus devido ao caráter indissolúvel do sacramento matrimonial, e, portanto, não podem unir-se a novos parceiros. Em resumo, é preciso entender a diferença entre “estar separados” (situação que pode ser lícita por justa causa) e “divorciar-se” (situação que nunca é lícita para a doutrina católica, por ir contra o caráter indissolúvel do sacramento matrimonial). Outro caso completamente diferente da separação e do divórcio, mas que costuma gerar confusões e mal-entendidos, é o da nulidade matrimonial: quando a Igreja reconhece a nulidade de um casamento, não significa que ela esteja permitindo que um casamento seja “terminado”, mas sim que esse suposto casamento nunca existiu validamente. A nulidade do matrimônio é reconhecida em uma vasta gama de casos: por exemplo, a intimidação para casar (falta de plena liberdade por parte de qualquer um dos cônjuges); a omissão proposital, consciente e culpável, por parte de um dos cônjuges, de alguma informação grave que o outro cônjuge deveria conhecer (impotência, infertilidade, divórcio prévio etc.); e, a critério da autoridade eclesiástica competente,  a inconsciência geral quanto ao teor do compromisso que se assume mediante o matrimônio. A Igreja tem adotado uma postura de conciliação e misericórdia em sua pastoral familiar, procurando compreender as complexas situações que envolvem as crises matrimoniais; o objetivo desta postura é ajudar os casais separados, ou mesmo aqueles em segunda união, a entenderem com mais profundidade o sentido do matrimônio – no entanto, a doutrina continua inalterada quanto à não aceitabilidade do divórcio, já que a indissolubilidade do sacramento matrimonial foi instituída por Cristo e não pode ser alterada por ninguém. O desafio pastoral, muito delicado, é proteger o matrimônio e educar os novos casais para a profundidade deste compromisso, e, ao mesmo tempo, oferecer aos casais divorciados ou em segunda união caminhos de reconciliação com a fé em sua integridade. As formas de exercer a misericórdia conjuntamente com a preservação da reta doutrina são um dos grandes debates da atualidade na Igreja.

Entre a separação e o encontro com a sua esposa Veronica, você foi, nas suas próprias palavras, um “brutal libertino”.

“Brutal não: eu sempre tentei deixar uma boa lembrança de mim, embora, algumas vezes, acho que causei pesar. Penso nisto como Nietzsche: o homem ama o jogo e o perigo; e a mulher é a jogadora mais perigosa”.

Que mulheres você escolhia?

“As que eu gostava. As que me despertavam alguma coisa. Que me davam a impressão de preencher a parte que faltava de mim”.

Como você entendia isso?

“O comportamento quer dizer muito. A atitude, o jeito de falar. Eu sempre gostei das mulheres de forte feminilidade. Mas nem os meus marcos afetivos me curavam da inquietação. A libertinagem vira uma droga. Toda noite você tem necessidade de atingir o seu objetivo. Na noite em que não consegue, você fica mal”.

Acontecia muito?

“Não. O sucesso torna tudo mais fácil. Mas, no fim, você acaba vazio. E se sente afundando no abismo do vício. Houve um momento em que eu estive muito perto”.

Dizem que Fidel Castro teve 35.000 mulheres…

“Eu não. Eu conheci a Veronica. Nós nos casamos e nos amamos muitíssimo. De manhã ela às vezes acorda com uma poesia que lhe escrevi durante a noite”.

Tags:
CasamentoConversãoDivórcioMúsica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
3
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia