Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

4 pensadores religiosos estão entre as 6 pessoas mais influentes do mundo

© Marcin Mazur/catholicnews.org.uk
Compartilhar

Em um mundo aparentemente secularizado, a religião continua a ser tão influente como sempre

Um número excepcionalmente elevado de pensadores religiosos consta no mais recente ranking global de líderes do pensamento, conforme publicado pelo World PostO ranking é responsável por estudar mais de 200 líderes mundiais e sua influência no mundo, de acordo com um conjunto de critérios estabelecidos pela Gottlieb Duttweiler Institute.

Este ano, o primeiro lugar no ranking é o Papa Francisco, enquanto Bento XVI, por sua vez, está em um empate no quinto lugar com Bill Gates. O segundo lugar é o Dalai Lama e o quarto, o ateu Richard Dawkins, o proeminente biólogo evolucionista britânico.

A religião aparecendo neste ranking ocupando os primeiros lugares revela o fato de que as questões de fé são um fenômeno global. Além disso, a presença de Francisco e Bento nos primeiros lugares sugere que o cristianismo forma boa parte do discurso intelectual e midiático global.

E enquanto nenhum Papa aparece no ranking de líderes influentes da área cultural árabe, os três primeiros lugares são ocupados por três teólogos islâmicos.

Enquanto nós poderíamos dizer sem problemas que na agenda do Papa Francisco a crise da imigração e as mudanças climáticas são temas centrais, nas primeiras figuras do ranking não aparece nenhum porta-voz dessas causas – tirando o próprio Francisco, claro –, exceto Garry Kasparov, o ativista russo de direitos humanos, que ocupa a terceira posição.

Apenas em décimo lugar aparece o político e ativista climático Al Gore. Stephen Hawking ocupa o décimo quinto lugar – um abaixo do filósofo Jurgen Habermas – e a etóloga Jane Goodall, o décimo nono lugar.

Não deixa de ser alarmante que questões como a crise de refugiados, os contínuos ecocídios, os aumentos do totalitarismo e da desigualdade econômica e social não se destaquem nos primeiros lugares do ranking.