Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 09 Maio |
home iconEspiritualidade
line break icon

Gelatina em prato raso

MoRDi CuaC

Comunidade Shalom - publicado em 20/01/17

Pois é. Tem gente que é assim, como gelatina em prato raso.

Você certamente já passou pela desastrosa experiência de, em um almoço à americana, servir-se de gelatina em prato raso. Bem que ela era atrativa, em seu elegante pote de cristal, reluzente sob o chantili, quase a obrigar que dela se sirvam abundantemente. Para servi-la, porém, a descuidada dona de casa colocou somente… colherinhas e pratos rasos. E você, distraído pela conversa com o próximo da fila, ploft!, cai na armadilha que lhe renderá os próximos minutos de luta insana entre a etiqueta, o equilíbrio do prato sobre as pernas e a maestria do melhor equilibrista cirurgião para levar a gelatina até a boca. Terrível! Mas tudo pode ser ainda pior se o cenário for a primeira visita à casa da candidata a sogra.

Gelatinas em pratos rasos sempre foram uma ameaça. À polidez, ao tapete persa abaixo delas, à saia ou calça de quem as tenta comer, à sanidade mental e autoestima do comensal. Verdadeiro horror!

Pois é. Tem gente que é assim, como gelatina em prato raso. A cada passo, ameaça cair, inclinando-se perigosamente, ora para a esquerda, ora para a direita, ora para a frente – pior de todas as hipóteses. A cada colherada, ameaça perigosamente não chegar ao seu prosaico destino. Adrenalina pura!

Gente-gelatina-em-prato-raso é gente sem consistência. Do tipo que quer sempre o mais fácil, o mais tranquilo, o mais “normal”. Gente que não quer fazer força para nada, que não sonha com nada que lhe custe um pingo de suor. Gente que foi educada tendo tudo o que quis, gente que quer ter muito dinheiro para trabalhar bem pouquinho e, de preferência em um serviço onde ela bata o ponto – mas só quando o colega não puder bater por ela – e vá fazer outra coisa, qualquer coisa, exceto trabalhar.

Gente-gelatina-em-prato-raso arranja emprego por influência daquele “cara rico e poderoso”, passa na prova porque conquistou as boas graças do professor ou comprou a prova “facinho, facinho”. Gente-gelatina-em-prato-raso passa o tempo do emprego em redes sociais e, ainda assim, sempre quer ganhar mais.

Para essa gente, trabalho, de preferência pouco, é emprego, naturalmente bem remunerado. Dizem que, no Brasil, isso vem da era colonial, quando trabalhar era coisa para quem não era “gente de bem”. Pode até ser. Hoje, é “mau caratismo”, mesmo.

Trabalhar é servir, é suar, é esforçar-se para o Bem Comum. Trabalhar é dar seu melhor para colaborar com Deus no aperfeiçoamento da Criação. Gente-gelatina-em-prato-raso não entende isso. Pensa que trabalhar é “dar expediente”. Que a única finalidade do trabalho é ganhar dinheiro. E que esse negócio de dar o melhor é para otário.

Pensa que Deus nem trabalhou nem trabalha até hoje. Pensa que Deus não conta com o homem para levar ao fim último sua Criação. Aliás, gente-gelatina-em-prato-raso considera-se a obra prima da criação de Deus e não enxerga nada nem ninguém ao seu redor. Não se considera responsável pelo aperfeiçoamento de nada.

Gente-gelatina-em-prato-raso “se acha” e, no começo, pode até parecer engraçada e interessante – é sempre o centro das atenções em conversas vãs – mas logo se desfaze em líquido colorido esquecido em um canto ou, tristemente, cai e tinge o tapete, o piso, a roupa de quem convive com ela.

Gente-gelatina-em-prato-raso não tem consistência. Pendura-se na aparência, na grandiloquência, na mentira, no dinheiro, mas acaba por acachapar-se tristemente, a remoer o engano de achar que, sem esforço, disciplina e trabalho duro, é possível ter consistência e contribuir para o bem.

(Maria Emmir Oquendo Nogueira, via Shalom)

Tags:
FelicidadeSentido da vida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
3
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
4
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
5
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
6
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
J-P Mauro
Vídeo mostra a última liquefação do sangue de São Januário
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia