Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 24 Junho |
São Rumoldo
home iconAtualidade
line break icon

Meu primeiro filhinho, que eu deixei em Acapulco há tantos anos

Frankieleon CC

Kathleen N. Hattrup - publicado em 20/01/17

Espero que as lágrimas que derramei por ele ao longo dos anos possam ter sido, de algum modo, orações elevadas ao nosso Deus misericordioso

Para comemorar os meus 30 anos – e já se passaram mais dez desde então –, fiz uma viagem de carro até uma praia de Acapulco, junto com meu namorado, que agora é meu marido, e com a mãe e uma tia dele. Em certo momento, os três foram dar uma volta e eu fiquei sentada sob o guarda-sol, sozinha.

Foi quando um menino, talvez de 3, 4 anos, se aproximou de mim. O bracinho e a mão dele eram ligeiramente tortos para um lado. Quando chegou à minha cadeira, suavemente, ele me pediu água.

Eu não tinha comigo nenhuma garrafa de água e não me senti à vontade para pegar a da minha futura sogra. Por isso, disse a ele que não tinha e fiz uma carícia em seu cabelo. Era o cabelo sedoso de uma criança pequena, volumoso e eriçado. Uma criança doce, inocente. Eu esperava que ele se dirigisse ao próximo banhista, mas ele ficou ali, insistindo e insistindo, repetindo uma vez atrás da outra, em crescente desespero: “Água, água, água!“.

Hoje eu fico surpresa por ter demorado tantos segundos, mas, então, superando a minha timidez, peguei a garrafinha de água da mãe do meu namorado e, movida pela compaixão, a entreguei ao menininho.

Ele bebeu com tamanha sede que eu fiquei me perguntando se ele não tinha bebido nenhuma outra gota até aquela hora em todo o dia, apesar do sol escaldante de Acapulco, da areia e do vento do mar.

Depois, ele seguiu em frente, andando pela areia, em meio aos outros banhistas, até desaparecer. E eu fiquei soluçando, incontrolável, como ainda fico agora, anos e anos depois, ao trazer da lembrança aquela cena que me devastou.

Quando meu namorado, sua mãe e sua tia voltaram, nem sequer um minuto depois, ficaram perplexos com o meu pranto solto. Não me lembro se eu consegui controlar os soluços e contar a eles o que tinha acontecido ou se eles mesmos viram o menininho perambulando perto do mar e imaginaram o que tinha havido. Mas me lembro que eles encararam a minha reação com ternura, ainda que com certo estoicismo, tão forçados que já tinham sido, pela vida, a testemunhar durante anos tantas experiências semelhantes.

Esse garotinho deve ser, hoje, um adolescente desajeitado de seus 13 ou 14 anos. Tenho medo de que a sua deficiência, combinada à sua pobreza e talvez abandono, o tenha levado ao envolvimento com o crime, ou com erros terríveis – se é que, de fato, ele ainda está vivo. Talvez ele seja um menor desacompanhado, vagando pelo mundo, pedindo esmolas ou fazendo bicos para sobreviver… Talvez ele esteja vendendo drogas… ou usando-as. Os traficantes de seres humanos podem tê-lo forçado a coisas indizíveis…

E eu penso nele como meu filho espiritual. Ele vem frequentemente à minha lembrança, aos meus pensamentos.

Espero que as lágrimas que derramei por ele ao longo dos anos possam ter sido, de algum modo, orações elevadas ao nosso Deus misericordioso, pedindo dele graças extraordinariamente eficazes para a proteção e o bem-estar daquele menininho sedento. Têm que ter sido graças poderosas, capazes de mover montanhas, considerando a vida para a qual aquele pequeno nasceu, com sua mãozinha torta e seus cabelos escuros.

O meu filhinho espiritual é para mim um ícone que representa cada rosto afetado ou esquecido pelos abstratos debates políticos. Eu nunca mais vou me esquecer da suavidade daquele seu cabelo.

Os refugiados são mulheres e homens, meninos e meninas que não são diferentes dos nossos próprios familiares e amigos. Cada um deles tem um nome, um rosto e uma história, além de um direito inalienável a viver em paz e a almejar um futuro melhor para seus filhos e filhas” – Papa Francisco, 17 de setembro de 2016.

Tags:
FilhosMigrantesMisericórdiaPobrezaVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
3
CARLO ACUTIS
Francisco Vêneto
Corpo incorrupto: quais foram os tratamentos aplicados ao rosto d...
4
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
5
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
6
lenda São Cipriano Santa Justina
Aleteia Brasil
São Cipriano era mesmo bruxo?
7
COMMUNION
Philip Kosloski
Antes da Comunhão, reze este ato de fé na presença real de Cristo
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia