Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O guarda municipal de São Paulo que acolhe moradores de rua e usuários de drogas em sua própria casa

Arquivo pessoal/Marcos de Moraes
Compartilhar

Um exemplo concreto do célebre conselho da Madre Teresa de Calcutá: o conselho da gota limpa

Marcos de Moraes tem 51 anos e é membro da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo há oito. Enquanto o seu trabalho o leva a patrulhar as ruas do centro da metrópole brasileira para zelar pela segurança pública, o seu comprometimento pessoal como cidadão o leva a transformar a própria casa em centro de acolhimento e recuperação para usuários de crack e moradores de rua. Já passam de 50 as pessoas beneficiadas pelo impressionante esforço voluntário do guarda municipal.

Além do acolhimento e da ajuda para que seus “hóspedes” comecem a reconstruir a vida, Marcos se empenha pessoalmente em reconstruir a vida familiar dessas pessoas a quem resgata, fazendo pesquisas e buscas para encontrar os seus parentes.

O trabalho voluntário, porém, convive cotidianamente com críticas e preconceitos de pessoas que acusam os resgatados de “não merecerem a oportunidade“, já que, segundo um ponto de vista que ainda é bastante difundido, os sem-teto e os usuários de crack só estão na rua “porque querem“. Apesar dos desincentivos, Marcos segue em frente. Ele pensa em montar uma ONG, algum dia, voltada a recuperar e reintegrar à sociedade um número cada vez maior de pessoas que hoje perambulam sem horizonte pelas ruas paulistanas ou tentam suportar a falta de sentido da própria existência recorrendo, ilusoriamente, ao consumo devastador do crack. Enquanto o sonho da ONG não se concretiza, o guarda não fica parado. E a quem evoca o batido clichê do “Tá com peninha? Leva pra casa!“, Marcos responde com determinação e coerência: “Levo pra casa mesmo (…) Quando pego um caso, vou até o fim!“.

As críticas, no entanto, são apenas uma parte da realidade de Marcos, que é composta por muitas atitudes bem mais propositivas e construtivas: ele conta com a solidariedade de várias pessoas que o ajudam a bancar os custos desse complexo trabalho de voluntariado, além de receber apoio do próprio comandante da Guarda Civil Metropolitana, que, quando necessário, lhe cede uma viatura e um computador para buscas específicas. A esposa Karyne, a quem, aliás, Marcos conheceu justamente durante um trabalho de buscas na internet, é apoiadora constante da árdua tarefa cidadã do marido.

 

ALGUMAS DAS PESSOAS RESGATADAS POR MARCOS

Paulo, sem teto que recebeu ajuda e pôde voltar para junto da família no Rio Grande do Sul:

 

Felipe, morador de rua em São Paulo, foi ajudado a reencontrar a mãe:

 

Seu Antônio já faleceu, mas, graças a Marcos, pôde viver seus últimos anos finalmente ao lado da família em Barbosa, SP:

 

Claudiocir, usuário de crack, recebeu ajuda para reencontrar a família depois de nada menos que 25 anos perambulando pelas ruas de São Paulo:

 

A MADRE TERESA E A GOTA LIMPA

Marcos é um exemplo concreto e efetivo de um célebre conselho da Madre Teresa de Calcutá: ser apenas uma gota no meio do oceano, mas uma gota limpa.

Em 1979, ao voltar da Noruega após o recebimento do Prêmio Nobel da Paz, a Madre Teresa de Calcutá passou pela casa humilde das Missionárias da Caridade em Roma, onde um jornalista lhe fez uma pergunta provocadora: “Madre, a senhora tem setenta anos. Quando a senhora morrer, o mundo vai ser como antes. O que mudou depois de tanto esforço?“.

A Madre Teresa então lhe respondeu:

– Veja, eu nunca pensei que poderia mudar o mundo. Eu só tentei ser uma gota de água limpa em que pudesse brilhar o amor de Deus. Você acha pouco?

O repórter não conseguiu responder. No silêncio de escuta e emoção que tinha surgido, a Madre Teresa retomou a palavra e pediu ao repórter:

– Tente ser você também uma gota limpa e, assim, seremos dois. Você é casado?

– Sim, madre.

– Peça também à sua esposa, e assim seremos três. Tem filhos?

– Três filhos, madre.

– Peça também aos seus três filhos e assim seremos seis.

A lição é muito simples. Para colocá-la em prática, basta a vontade.

__________

Imagens e informações a partir de Best of Web