Aleteia

Os erros mais comuns das sogras

Nicholas Erwin-cc
Compartilhar
Comentar

O principal: muitas sogras se esquecem de que já foram noras

Quase todos os erros que as sogras cometem estão relacionados com a intenção de seguir monopolizando o carinho do filho ou mostrar suas competências em áreas como: mãe-educadora, esposa virtuosa, administradora talentosa, cozinheira exemplar, enfermeira, especialista em manchas e muitas outras coisas.

Minha mãe dizia, com muita sabedoria, que a atitude de uma boa sogra era pintar uma linha fina diante da soberania dos novos esposos e que quem casa quer casa. A linha que ela pintou tinha traços fortes e imprevisíveis, que poderiam representar um córrego entre as avenidas.

Ela mesmo apagava essa linha e voltava a pintar com observações nada sutis, sem se importar com os ressentimentos que provocava em sua nora, considerando-os o custo da experiência que ela transmitia. Quando meu pai era testemunha de seus “conselhos pertinentes”, ele olhava para o céu e, como o rabo de olho, olhava para mim e para minha esposa como para decidir se permanecia presente na conversa, ou saía para passear com o cachorro.  Normalmente, saía para passear.

Em suas visitas imprevistas, minha esposa demorou para abrir a porta, depois de recorrer  ao “olho de sogra”. Depois, minha mãe entrava varrendo tudo o que estava na vista, com uma crítica e uma “discreta” olhada, enquanto colocava um dedo sobre um móvel para ver se havia pó. Imediatamente, sentava-se para ter visão do entorno. Era quando começava a falar, lançando pedras cobertas de veludo.

Terminada a visita, já a sós, eu esperava que minha esposa recuperasse a calma, enquanto dava um cochilo, para dizer-lhe: “minha vida, pense que graças a ela eu existo, e veja o prêmio que você levou”… na verdade, isso nem sempre surtia o efeito desejado.

E o que dizer do dia em que me ocorreu de comparar  guisado da minha esposa com o da minha mãe, dizendo que o dela faltava algo… por pouco não dormi na banheira.

Tudo isso já faz alguns anos. Nosso filho mais velho casou-se e nós nos tornamos sogros.

Minha esposa que, obviamente superou tudo, uma vez me disse que uma boa sogra pinta uma linha fina diante da soberania dos novos esposos e que quem casa quer casa. De quem e quando escutei isso antes?

E, vejam vocês como são as coisas. Um dia, fizemos uma visita de surpresa à casa nova de meu filho, algo sugerido por ela, pois voltávamos do supermercado e demos uma passada (vocês sabem…).

E a minha nora demorou para abrir a porta…

Coube a mim, como parente de sangue, identificar e corrigir a minha mãe, com paciência e carinho, quantas vezes foram necessárias. Foi fácil lembrar e fazer uma lista de suas atitudes como sogra, na intenção de ajudar minha esposa a recordar o que ela sentia. Por sorte, ao ler a lista, um sorriso se desenhou no seu rosto.

Aqui vão alguns conselhos:

1- Você já não é guardiã de seu filho(a): No começo do nosso casamento, minha mãe posava de guardiã permanente quando me via, com observações como: já comeu? Sua calça não está bem passada, não está bem penteado, está muito magro, está sem cor…

2 – Não imponha sua experiência de vida: Minha mãe não reconhecia os esforços e iniciativas de sua nora por fazer e aprender. Como o pavão do Natal, que ela se esmerou em preparar para toda a família, ou o bolo de aniversário com uma receita nova, aquele penteado, a combinação ao vestir. Sempre interferia com frases como: ficou gostoso, mas… recomendo que… Depois, desculpava a minha esposa, porque ela não tinha a sua experiência, claro. Continuando, manifestava seu desejo de ajudar, dizendo: Querida, vou te dar uma sugestão… E o que fazia era dar ordens como um militar dirigindo-se aos seus subordinados.

3 – Deixe de proteger seu filho(a): Minha mãe afirmava com orgulho de ter-me feito independente desde que deixei de usar fraldas, como prova de seus grandes dotes de educadora. Mas, quando escutava minha esposa me pedir algo em tom imperativo, levantava sua espada para defender e proteger seu pequeno, ou seja, eu.

4 – Abandone a chantagem emocional: Ela praticava mensagens com segundas intenções, dizendo à sua nora: “Meu Alfredito já me esqueceu, faz dois dias que não vai me ver, eu que fiz a comida que ele tanto gosta.”

5 – Não atormente com seus conselhos, principalmente, reiventando o passado: Ela nos dava conselhos excessivos sobre como levar o casamento, já que ela e meu pai “jamais tinham brigado”. Quando meu pai escutava isso, apertava os punhos e lançava dardos com o olhar.

6 – Deixe que os especialistas façam seus trabalhos: Minha mãe, sem maiores estudos, se ofereceu para substituir o pediatra quando nossos filhos nasceram.

Enfim, a lista se estende um pouco mais, chegando ao final com uma nota feliz, pois, pouco a pouco, minha mãe deixou suas armas pela sincera razão de que aprendeu a gostar da minha esposa como sua filha. Esse carinho a preparou para torná-la uma avó amorosa, solícita e prudente. E minha esposa, estranhamente, também aprendeu a amá-la.                                                                                                                                      

Acredito que minha esposa entendeu a mensagem, pois, ao final da leitura, me disse que sua linha fina será reta e fixa, que iria respeitá-la. Penso que isso a fará crescer muito diante dos olhos da minha nora.

 

Elaborada por Orfa Astorga de L.

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia