Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O sofrimento move a vida

Compartilhar

Uma filósofa reflete sobre o tema do sofrimento - e você não vai se arrepender de ouvi-la!

A filósofa Viviane Mosé critica como a psicanálise trata o sofrimento:

“Está tudo errado em ‘O mal estar na civilização’, tudo errado! O sofrimento move a vida, o sofrimento é bacana. O problema da psicanálise é tratar o sofrimento mal. A psicanálise quer diminuir o sofrimento humano? Eu acho que devia aumentar! É o sofrimento que nos move, eu não tenho que buscar o sofrimento mas eu não tenho que achar que eu tenho que acabar com o meu sofrimento: não sou eu que acabo com o meu sofrimento, é o meu sofrimento que acaba por ele. (…) Nós não queremos dar o tempo do sofrimento no corpo, que é o rastro do sofrimento que rasga a sua aula pra ela ficar mais larga. Uma das razões do sofrimento é o rompimento da alma, pra ela se tornar maior, e quando a alma se torna maior, ela cabe mais mundo, ela permite mais contradição, então uma pessoa amadurece quando ela lida melhor com o sofrimento. Nós somos uma sociedade infantilizada, porque quando nós sofremos, começamos a dar piti… que piti, aguenta, suporta! Que porcaria de ser humano é esse que não aguenta sofrer?”

A filósofa pondera sobre a importância do sofrimento no crescimento e transformação:

“Eu sou uma pessoa que gosta da vida. Eu não gosto de ser alegre, eu não gosto de ganhar, eu não gosto de ser feliz… eu gosto de viver, e viver é um kit completo. Quem gosta de viver gosta da vida. Eu não procuro o sofrimento, eu não preciso porque ele me procura, agora, quando ele vem eu pergunto ‘o que você quer de mim? Que aspecto da minha alma precisa crescer e se transformar, o que você quer me dizer, sofrimento?’. Aí eu converso com ele, ele fica um tempo e vai rápido embora . Agora, quando ele vem – e ele vem da vida, ele vem da exterioridade, ele vem do choque do homem com a civilização e com a natureza, e das relações – só que esse choque, ele vem para minha alegria, então o que que é alegrar-se? É ser capaz de sustentar o infinito. O que é o homem diferente dos outros animais? O homem é o único que sabe que vai morrer, o homem é o único animal que vê a exterioridade, ele vive e sabe que vive, então todo homem carrega nas costas o infinito. Aí eu pergunto: Quem é o homem bacana? É o que suporta o infinito, e isso implica na capacidade de ser resistente, de suportar, de aguentar… Não. Eu sou criada comprando, amando, que aí você mata o seu amor, porque você quer amar pra parar de sofrer, aí você pega o amor e engole, mata, sufoca e não consegue ficar mais que um ou dois anos com alguém, porque você matou o seu amor de tanta ansiedade para salvar a sua vida.”

Mosé ainda fala sobre o valor da vida:

“O que que nós não temos na civilização? O valor da vida, e a vida implica em ganhar e perder, a vida está além do ganho e da perda. O que me faz bem não é ganhar ou perder, o que me faz bem é ser potente para viver, e isso é bacana, eu agradeço a cada um dos meus sofrimentos, eu não abriria mão de nenhum deles, e mais, se minha vida está muito reta demais, eu arrumo logo um abismo pra eu me jogar.”

 

(via Youtube)