Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
Santa Glodesinda
home iconAtualidade
line break icon

Você sabia que há embriões e fetos entre as múmias mais antigas do mundo?

Emma Rada-cc

Centro de Estudios Católicos - publicado em 06/02/17

Os chinchorros tratavam os fetos como membros da comunidade

As múmias da cultura Chinchorro estão no Museu Arqueológico de São Miguel de Azapa, perto da cidade de Arica, ao norte do Chile. Os chinchorros eram um povo nômade e viveram desde a costa sul do Peru até o norte do Chile, entre os territórios de Tacna, Arica e Tarapacá.

Essas múmias são 2 mil anos mais velhas que as egípcias e possuem cerca de 9 mil anos. Os chinchorros viveram da pesca, caça e colheita de frutos.

Diferentemente dos egípcios, os chinchorros realizavam um ritual fúnebre especial não só para as classes mais altas da sociedade, mas para qualquer pessoa. No museu, estão múmias de homens, mulheres e crianças.

Eles acreditavam que os corpos, depois de mumificados, continuavam participando da comunidade como verdadeiros monumentos ancestrais, marcando o território e a identidade cultural. É comum encontrar grupos de múmias que refletem uma unidade familiar, incluindo homens, mulheres e filhos.

É especialmente interessante observar o tratamento feito em crianças, cujos ossos frágeis eram fortalecidos por ramos e fibra vegetal. O trabalho da cabeça incluiu cortes do crânio realizados com utensílios rústicos, limpeza de órgãos e confecção de máscaras de barro.

Porém, o mais impressionante é a mumificação feita em seres que ainda não tinham nascido, em fetos que parecem estatuetas.

O mais comovente é o delicado tratamento de minúsculos embriões humanos que ainda não tinham se formado. Para eles, os fetos eram considerados membros da comunidade e isso refletia uma cultura que respeitava o valor da vida humana desde o ventre materno.

Os chinchorros tinham diversos tipos de mumificação. Alguns se baseavam na dessecação natural pelas condições climáticas do deserto, mas outros incluíam grande sofisticação, como incisões, enchimento de cavidades, pinturas com óxido, ligaduras, etc.

Isso nos mostra a complexidade do trabalho que a cultura chinchorro adotava para mumificar seus mortos, e o valor que davam aos membros falecidos da comunidade, quer sejam velhos, jovens ou aqueles que ainda nem tinham nascido.

Os corpos dos chinchorros são como efígies. Desprovidos de todos os órgãos que poderiam se decompor, foram conservados seus ossos, pele e cabelo, numa tentativa de manter a essência do indivíduo e sua ancestralidade na coletividade.

Mas, se o processo de mumificação era tão complexo, por que incluíam os fetos? Que significado tinha a vida para os chinchorros? Reconhecer como humano um ser que ainda não tinha nascido?

Talvez com o passar do tempo tenhamos nos esquecido do valor da vida e do respeito profundo que devemos ter com aqueles seres humanos que começam seu desenvolvimento desde o momento da concepção. Vale a pena aprender estas lições de humanidade que nossos ancestrais nos presenteiam.

Para eles, esta exposição não é uma mostra de seres mortos, mas sim a valorização de uma antiquíssima forma de vida e de visão a respeito da morte.

Tags:
ArteVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia