Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEstilo de vida
line break icon

Padres com Síndrome de Burnout?

© Antoine Mekary / ALETEIA

<p> Priests make the sign of the cross with Pope Francis during a weekly general audience at St Peter&#039;s square on September 28, 2016 in Vatican &copy; Antoine Mekary / ALETEIA</p>

Vanderlei de Lima - Igor Precinoti - publicado em 07/02/17

A questão trazida pelo recente suicídio de três padres no Brasil

Recentemente, pessoas se assustaram – não sem razão – com a notícia do suicídio de três padres com idades entre 31 a 37 anos, em diferentes regiões do Brasil. Suspeita-se que foram vítimas da chamada Síndrome de Burnout.

Daí a questão: mas que é isso? – O termo burnout, do inglês “combustão completa”, passou a ser utilizado para definir um tipo de estresse relacionado ao trabalho. Esta palavra foi cunhada, na década de 1970, pelo psicólogo Herbert Freudenberger, para definir o esgotamento que acometia um grupo especifico de profissionais especialmente dedicados ao cuidado de outras pessoas, como, por exemplo, médicos, enfermeiros, sacerdotes etc.

Esses homens e mulheres, que se sacrificam pelos outros, são colocados sob extrema pressão e passam a se sentir esgotados, exaustos, apáticos e incapazes de lidar com a situação, ou seja, veem-se “completamente queimados”, tal qual um palito de fósforo que se consumiu completamente (“burnout”).

Isso posto, pode-se dizer que são fatores de risco para a manifestação da Síndrome de Burnout, a carga de trabalho pesada, o desequilíbrio na relação esforço-recompensa, a falta de auxílio no trabalho (escassez de profissionais), poucos recursos para executar a tarefa pedida, inconstância nos horários de trabalho, bem como trabalhar no cuidado de pessoas no final da vida ou ter visão idealista – e não real – do mundo.

Mais: segundo publicação da US National Library of Medicine, existem três principais grupos de sintomas que definem a Síndrome de Burnout. Vejamos, em linhas gerais, cada um deles.

O esgotamento emocional: as pessoas se sentem esgotadas, exaustas, sobrecarregadas, cansadas e sem energia suficiente para executar as atividades diárias. Fisicamente, o indivíduo apresenta também dores de estômago e problemas de digestão.

A alienação (relacionada ao trabalho): as pessoas acham seus afazeres cada vez mais negativos e frustrantes. Eles podem desenvolver uma atitude cínica em relação ao ambiente de trabalho e aos colegas. Também, ao mesmo tempo, cada vez mais se distanciam emocionalmente ou até se desprendem de seu ambiente laboral.

Apresentam ainda desempenho reduzido: burnout afeta principalmente as tarefas diárias, sejam elas executadas no trabalho, em casa ou no cuidado de membros da família. Pessoas com a síndrome são muito negativas no que diz respeito às suas atividades, têm dificuldade de concentração, são apáticas e dão mostras de falta de criatividade.

As consequências da Síndrome de Burnout são catastróficas, caso o indivíduo acometido não procure ajuda profissional ou se não ocorrer mudanças no seu ambiente de trabalho, podendo apresentar transtorno de estresse pós-traumático, abuso de álcool e/ou medicações e concepções suicidas. 

Feita essa colocação da Síndrome de Burnout em si, passemos às questões morais e práticas. Começando pelo plano moral, é preciso deixar claro que do ponto de vista objetivo (do ato em si) o suicídio é sempre um pecado grave. No entanto, do ponto de vista subjetivo (da pessoa que cometeu tal desatino), há atenuantes psíquicas fortíssimas, de modo que só nos cabe entregar o suicida à misericórdia de Deus.

Não são só os sacerdotes que podem chegar a esse fim trágico, mas também, como foi dito, outros profissionais dedicados ao próximo. O sacerdote não deixa de ser humano. A graça divina no padre não violenta ou muda a sua natureza humana, de modo que dar serviços em demasia a ele e encorajá-lo com a fala batida, porém não totalmente verdadeira, segundo a qual “Deus dá força” é violar os limites do próximo.

Cabe, pois, após esta brevíssima exposição, pedir aos responsáveis religiosos e civis que repensem bem como tratam aqueles que Deus lhes confiou, especialmente nas horas que reclamam de um cansaço incomum, pois o caso, como se vê, é seriíssimo!

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
CuriosidadesDepressãoPadresSaúdeSuicídio
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia