Aleteia

Como dizer adeus para a pessoa que você ama se o seu coração não quer soltá-la?

Woman crying burial cemetery, religion © Celiafoto / Shutterstock
<a href="http://www.shutterstock.com/pic-285625310" target="_blank" />

Woman crying burial cemetery, religion

</a> © Celiafoto Shutterstock
Compartilhar
Comentar

Não há receitas para estes momentos de dor. Deixe que o amor busque seu próprio caminho

Nós nos preparamos para quase tudo nesta vida, mas não para a única coisa que sabemos que vamos ter que passar: a morte. Nem para enfrentar nossa própria morte, nem a de um ente querido. Mas, na realidade, existe isso de se preparar para a morte?

Em minha opinião, sim e não. Sim, quando se vive a certeza da eternidade, ou seja, visando à vida eterna no céu. A certeza de nos encontrar algum dia com Deus, cara a cara, é a esperança mais bonita que podemos ter.

Então, como se preparar para entregar o seu ser amado? A resposta é: vivendo um desprendimento profundo, sabendo que todos os amores são emprestados e se despedindo com gratidão pelo tempo compartilhado. A cabeça entende este conceito, mas o coração não. Por isso dói tanto dizer adeus.

O que está claro é que há uma diferença muito grande quando se vive o luto com a gratidão e o amor e quando se vive o luto baseado no medo e no remorso. De qualquer maneira, a morte sempre vai impressionar, surpreender e doer tanto quanto se alguém tivesse tirado seu coração. Depois, o tempo passa e você se dá conta que um luto vivido de forma saudável serve para purificar e transformar os corações.

Mas o que provoca a dor? Só a ausência? A espantosa sensação de um cochilo atravessando sua alma é literal. Só quem sofreu perdas profundas poderia expressar com palavras e, sobretudo, entender o significado disso. Dói dizer “adeus”. Dói a ausência. Sente-se falta do cheiro da pessoa, das palavras, do tom da voz dela. Ouvir a sua música preferida faz você viajar aos momentos que você deseja viver hoje, como se o tempo voltasse e você parasse apenas para ver a pessoa, para que, com palavras silenciosas, pudesse dizer mais uma vez o quanto você a amava… Mas como saber que, de repente, ela iria partir…?

Doem as recordações, as palavras não ditas; doem os problemas não resolvidos, os abraços não dados, as carícias não recebidas e os beijos não roubados; doem os perdões não perdoados e as aproximações rejeitadas.

Dói o amor não correspondido, as chamadas não retornadas e as mensagens não respondidas. Dói sua presença ausente, a impotência de sua ausência. Querer abraçar e não poder consolar com a lembrança do último aperto que você recebeu da pessoa.

Você quer envolver a pessoa em seus braços protetores, mas só pode enrolar a almofada cheia de sua dor. Você quer escutar a voz dela, precisa dos conselhos e, ao longe, só escuta sua lembrança, porque não há ninguém que conteste ou que dê resposta a tanto sofrimento.

Dói que o mundo a esqueça e que a pegada de amor deixada um dia se apague. O sofrimento da perda cega tanto que o dia se torna noite. Você amanhece sem querer amanhecer porque sabe que há mais um dia de lágrimas pela frente. Lágrimas dessa dor no peito que não deixa respirar. O pranto afoga, você vive sem viver. Simplesmente pensa: agora, como faço para seguir sem ti? Quero ir contigo e não posso. Sigo aqui sem seguir. Vivo sem viver…

E o que vem depois? Aprender a viver de maneira diferente, fazer minha a dor, tão minha que eu aprenda a conviver com ela. Logo isso muda, o sofrimento muda, tudo passa a ter um significado diferente.

Os especialistas dizem que o luto tem 5 ou 6 etapas. Essas etapas foram um modelo que E.Kubler-Ross criou quando trabalhava com pacientes terminais de câncer, ou seja, as 5 etapas (negação, raiva, negociação, depressão e aceitação) são o processo pelo qual passa uma pessoa que vai morrer e, hoje em dia, é aplicado a todo o processo do luto, sem distinção.

Mas quando você está de luto, para que saber em que etapa está? Digam-me: em qual dessas etapas eu vou deixar de sentir saudade?  Em qual eu vou deixar de sofrer? Em qual deixarei de chorar quando as lembranças se apoderarem de minha alma e eu quiser gritar com toda a impotência de uma filha órfã que diz ao céu: “por que você se foi? Por que me deixou?” Em que etapa um filho deixa de sofrer pelo irmão que não merecia morrer de tal maneira?

Quando você começa a viver esse processo, escuta frases de gente de boa vontade que soam absurdas: “Ela já está em um lugar melhor”. E alguém pensa por dentro: “Pois não, quero ela aqui comigo”. E que tal essa de “já tem outro anjo no céu para cuidar dela”? Eu só quero ela aqui, perto de mim, cuidando de mim, me abraçando.

Ou esta frase que me deixa com os pelos arrepiados de nervo: “Siga em frente!” Seguir em frente? Como? Tento ter vontade. Mas como seguir em frente se eu quero morrer junto com quem se foi. Esta é a sensação de morte em vida. Por isso, precisamos aprender a deixar que cada um viva seu luto. Apenas devemos acompanhar, calados. Nestes momentos, o único que consola de verdade é Deus, se você tiver fé.

O luto é tão pessoal e único como as estrelas do céu. Cada perda é única e digna de ser vivida de acordo com nossas capacidades. O mais importante é viver o mais profundamente que pudermos, sempre de mãos dadas com Deus.

Dizem que o tempo cura tudo. Mas eu não concordo com isso. O tempo ensina a viver com a perda, mas não podemos falar de cura quando a dor que sentimos vem de um amor profundo. Além disso, só se cura o que está doente, e o amor não é uma doença. Se curar implica que tenho que deixar de sentir saudade e de pensar na pessoa amada, prefiro não me curar porque a pessoa que se foi viverá enquanto as lembranças dela viverem dentro de mim.

Por que somos tão bobos e não aproveitamos a presença de nossos amados como se hoje fosse seu último dia de vida?

De meu coração para o seu.

L.I.

 

Por Luz Ivonne Ream

Boletim
Receba Aleteia todo dia