Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Morrer havemos, já o sabemos”

© Public Domain
Compartilhar

A sábia preparação para a morte que os monges cartuxos fazem todos os dias

Os monges cartuxos pertencem a uma ordem milenar fundada por São Bruno. São enclausurados e semi-eremitas. Atualmente, cerca de 450 monges e monjas seguem a ordem em 3 continentes. No Brasil, eles estão no Estado do Rio Grande do Sul; em Portugal, em Évora.

A ordem contemplativa se apoia em 3 alicerces: solidão, combinação de vida solitária e comunidade e liturgia cartusiana.

Devido ao fato de as Cartuxas (os conventos dessa ordem) não poderem ser visitadas e da vida solitária e de oração a que os monges se dedicam, pouco se sabe sobre os seus costumes simples, mas cheio de significados e sabedoria.

Entretanto, a página Jardim dos Monges, no Facebook, revelou um dos mais belos rituais dos cartuxos em relação à morte.

Segundo o que foi publicado, os monges cavam suas próprias tumbas na Cartuxa. Cavam um pouco a dia, após entoarem o lema “Morrer havemos, já o sabemos”. Segundo os relatos, eles querem morrer sem pressa, no lugar onde viveram à espera de um dia poderem gozar da paz do Espírito Santo.

O corpo é enterrado sem caixão, vestido com um hábito branco e um capuz sobre o rosto para que o monge “só veja a face de Deus”. A cerimônia é restrita aos outros monges do convento, que entoam cânticos enquanto despejam a terra sobre o corpo.

cartuxos
Reprodução Facebook / Jardim dos Monges

A tumba recebe apenas uma cruz e não tem nenhum tipo de identificação, como o nome de quem está enterrado ali.

Uma bela demonstração da sabedoria daqueles que vivem para morrer, pois sabem que a morte é a porta de entrada para a vida eterna.

 

Fontes:

Jardim dos Moges

http://www.chartreux.org/pt/