Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconEstilo de vida
line break icon

O que os defensores do aborto não falam

© DR

Vanderlei de Lima - Igor Precinoti - publicado em 14/02/17

Igreja e Medicina, cada uma a seu modo, visam defender a vida não de modo seletivo, mas total: mãe e filho(a) merecem viver

Um tema fundamental silenciado pelos defensores do aborto provocado – não do espontâneo – é o que diz respeito aos sérios problemas psicológicos sofridos pela mulher mentalmente saudável depois de cometer o assassinato do próprio filho.

Nesse contexto, usa-se a expressão “Síndrome pós-aborto”, às vezes citada em algum escrito pró-vida. Ela foi criada pelo psicólogo americano Vicent Rue em 1981 para definir uma condição de estresse pós-traumático a acometer algumas mulheres que praticaram o aborto.

Contudo, ainda não há consenso na comunidade médica a respeito do uso deste termo, pois grupos “pró-aborto” defendem que a denominação “síndrome pós-aborto” foi criada por “conservadores” e “religiosos” somente para promover a agenda “pró-vida”.

Independente de orientações filosóficas, religiosas e políticas, é fato que a experiência do aborto tem potencial para causar repercussões psicopatológicas. Habitualmente essas repercussões estão associadas ao “Transtorno de Estresse pós-traumatico” que é um desordem de ansiedade precipitada por um trauma. Esse transtorno se caracteriza por três grupos de sintomas. São eles:

Revivescência do trauma: lembrança recorrente, pensamentos incontroláveis sobre o episódio, sofrimento desencadeado por estímulos relacionados ao evento (por exemplo, sentir pânico ao andar na mesma rua na qual ocorreu um fato traumático); Entorpecimento emocional: perda de interesse nas atividades diárias, sensação de distanciamento em relação a outras pessoas e Hiperestimulação: insônia, dificuldade para concentração e irritabilidade.

Apesar das contestações, a comprovação da existência e a justificativa para a caracterização da “Síndrome pós-aborto” foi demonstrada em uma publicação na Acta Espanhola de Psiquiatria, em 2005, ao evidenciar que, além dos sintomas de transtorno de estresse pós-traumático já citados, existem algumas características psicopatológicas frequentemente observadas em mulheres que voluntariamente abortaram, tais como sonhos e pesadelos repetidos e persistentes relacionados com o aborto, sentimentos intensos de culpa e “necessidade de reparação” do ato praticado.

Portanto, também no campo da saúde – para o qual defensores do homicídio no ventre materno tentam levar o debate a fim de fugir do aspecto moral –, há obstáculos sérios a serem enfrentados, desde que se estude com objetividade a questão médico-psicológica em torno de um aborto provocado.

Do ponto de vista moral, o aborto é um pecado gravíssimo a atentar contra o 5º Mandamento da Lei de Deus (cf. Êxodo 20,13) e por sua tamanha gravidade clama aos céus por vingança (cf. Gênesis 4,10). Daí a Igreja Católica, em seu Código de Direito Canônico, cânon 1398, diz: “Quem provoca o aborto seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae” [= automática – nota nossa].

Essa excomunhão (estar fora da comunhão com a Igreja) atinge de modo material os médicos, enfermeiras, parteiras etc. que colaboraram diretamente no homicídio e de modo moral o marido, o namorado, o amante, o pai, a mãe etc. que ameaçaram, estimularam ou ajudaram a mulher a submeter-se ao procedimento.

Também, evidentemente, a mulher que abortou está excomungada, mas nem sempre, pois ela pode estar inserida nas atenuantes do cânon 1324. Este prevê a não excomunhão da mãe que abortou se: a) esta tem apenas posse parcial da razão; b) está sob forte ímpeto de paixão que não foi por ela mesma estimulada voluntariamente e c) agiu sob coação por medo grave.

Como se vê, Igreja e Medicina, cada uma a seu modo, visam defender a vida não de modo seletivo, mas total: mãe e filho(a) merecem viver.

***

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoEstressemedicina
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia