Aleteia

O que o Oscar nos ensinou sobre a Quarta-feira de Cinzas

Frazer Harrison/GettyImages Northd America/AFP
Compartilhar
Comentar

Antes de nos tornarmos cinzas, somos faíscas destinadas a incendiar o mundo

Domingo à noite, durante a cerimônia de entrega do Oscar, uma das vencedoras deu um poderoso testemunho sobre a vida e, tenha ela percebido ou não, também ofereceu aos cristãos de todos os lugares uma grande expectativa sobre a Quaresma.

Viola Davis, vencedora do prêmio de melhor atriz coadjuvante, começou seu discurso com as seguintes palavras: “Vocês sabem que há um lugar onde todas as pessoas com os maiores potenciais estão reunidas. Esse lugar é o cemitério.”

Nós estamos aqui, em parte, para admitir, aceitar e refletir sobre isso – e levantar esta questão.

Quando recebemos as cinzas em nossas testas, dizemos a nós mesmos e ao mundo: “Um dia, eu não serei mais do que pó. Mas até esse dia, eu quero cumprir meu papel como cristão católico e como filho de Deus.”

Então, tomamos estes 40 dias para nos arrependermos, refletirmos e nos voltarmos ao Evangelho. Lembramo-nos de que somos feitos de pó e ao pó retornaremos.

A grande Santa Catarina de Siena uma vez disse: “Se você se tornar o que estava destinado a ser, você deixará o mundo em chamas.”

O que estamos predestinados a ser?

Para cada um de nós, a resposta é a mesma. Nós somos predestinados a sermos santos.

Este é o grande desejo de Deus para cada um de nós aqui. E parte da proposta da Quaresma é para que nos esforcemos para cumprir esse desejo – e cumprir o nosso papel.

As cinzas nos lembram de que nós podemos ser queimados, mas nós não estamos queimados. Há um fogo dentro de nós.

No nosso Batismo, nós recebemos uma pequena vela com os dizeres: “receba a luz de Cristo”. Este é um bom momento para nos perguntarmos: “o que aconteceu com aquela luz?”

Tornamo-nos frios? Indiferentes? Egoístas?

O que podemos fazer para reacender a faísca?

Muitos de nós sabemos que a Quaresma nos chama, durante estes 40 dias, a jejuar, a dar esmolas, a rezar. Isso é suficiente? Nós jejuamos de comida, mas talvez devêssemos tentar também o jejum da crueldade, do egoísmo. Evitar a tentação de zombar, criticar ou julgar.

Nós damos esmolas para os pobres – mas vamos também dar esmolas de compaixão para aqueles que são pobres de coração. Vamos tirar um tempo para nós mesmos e para aqueles que não têm tempo. Vamos dar dignidade e respeito para aqueles que são pobres em autoestima.

Nós rezamos para aqueles que estão perto de nós. Mas vamos rezar também para aqueles que não estão. Rezar para as almas esquecidas no purgatório. Rezar pelas almas que estão perdidas entre nós. Rezar pelo nosso presidente e pela mídia.

Durante a Quaresma, todas as Sextas-feiras, a gente reza as estações da Via- Sacra. Muitos de nós estamos trilhando nossa própria jornada para o Calvário, caindo, subindo, caindo novamente. Quantos sentem que estão sendo condenados e julgados, despojados de segurança ou dignidade? Quantos sentem que estão sendo pregados nas cruzes da injustiça ou do vício, do sofrimento ou do ódio? Caminhe pelas estações e ore por tudo isso.

E reze para que todos nós possamos ser mais do que pó. Nós ouvimos as palavras do salmista: “Um coração puro crie para mim, ó Deus, e um espírito firme renova dentro de mim”.

Reze para que possamos ser claros, firmes e renovados. Isso começa aqui, isso começa agora.

Disse Viola Davis: “Há um lugar onde todas as pessoas com os maiores potenciais estão reunidas. Esse lugar é o cemitério.”

Mas depois, pode ser muito tarde. Não vamos esperar mais. Estas cinzas que estamos prestes a receber proclamam ao mundo que temos trabalho a fazer para cumprir nosso grande potencial aos olhos de Deus e incendiar o mundo.

Boletim
Receba Aleteia todo dia