Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Longe de Pequim, os migrantes lutam contra a saudade

Agências de Notícias - publicado em 02/03/17

Pobres se amontoam no bairro de favelas de Heiqiaocun, onde tentam recriar o ambiente de suas terras de origem

Longe dos arranha-céus e das lojas de luxo da capital chinesa, milhares de trabalhadores de províncias pobres se amontoam no bairro de favelas de Heiqiaocun, onde tentam recriar o ambiente de suas terras de origem.

Relegado para além do quinto cinturão periférico, a 15 km do coração da capital, Heiqiaocun, que literalmente significa “o povo da ponte negra”, cheira ao carvão que os migrantes queimam em pequenas estufas para se aquecer ou cozinhar.

O bairro se organizou em torno de suas lojas – muitas das quais vendem a pimenta tão apreciada pelos muitos sinchuaneses que chegaram para trabalhar em Pequim a partir da província do sudoeste. As ruas desaparecem entre o vapor das tendas que assam bolinhos ou os pães típicos do norte da China.

Outros estabelecimentos com lanternas vermelhas oferecem massagens ou inclusive mais às milhares de pessoas solitárias que trabalham nas inúmeras obras de uma capital em incessante transformação.

Heiqiaocun cresceu no interior de uma via de trem circular que serve de linha de teste para os trens. As pessoas chegaram até este local empurradas pela alta dos preços dos alugueis em Pequim.

Nas casas, famílias inteiras ou grupos de trabalhadores se amontoam em quartos sem água corrente. As mulheres cozinham nos corredores, que cheiram a alho e gengibre.

A senhora Yang e seu marido vivem em apenas um ambiente, muito diferente da casa que deixaram em Juangsu (leste). Escolheram Heiqiaocun para economizar um pouco de dinheiro. A senhora Yang é limpadora no centro da cidade e seu marido trabalha na construção, onde ganha 10.000 iuanes mensais (1.375 euros), uma soma correta em uma cidade onde o salário médio é de 7.000 iuanes brutos.

Para os menos afortunados, cartazes nas paredes de Heiqiaocun oferecem uma solução: vender seu sangue. Pagam entre 400 e 500 iuanes por 400 centilitros, uma soma suficiente para permitir o aluguel de um quarto.

(AFP)

Tags:
MigrantesMundoPobreza
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia