Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Más-formações congênitas ligadas ao zika são 20 vezes mais frequentes

© Fondation Sainte-Geneviève
© Fondation Sainte-Geneviève
Compartilhar

Dados mostram que o risco mais elevado para o feto é quando a mãe é infectada pelo zika no primeiro trimestre da gravidez

As más-formações congênitas vinculadas ao vírus do zika são 20 vezes mais frequentes em relação ao período anterior à epidemia que atingiu o continente americano entre 2015 e 2016 – de acordo com um estudo divulgado nesta quinta-feira (2).

O estudo publicado pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos constatou, em três nascimentos de cada mil entre 2013-2014 e em anos anteriores, as más-formações do cérebro, a microcefalia, deformações do tubo neural e outras anomalias cerebrais, ou dos olhos.

Em 2016, porém, era perto de 6% a proporção de bebês nascidos com esse tipo de anomalia, cuja mãe grávida tenha sido infectada pelo zika. Isso corresponde a cerca de 60 nascimentos em cada mil afetados pelo vírus, indicou o Centro de Controle e de Prevenção de Doenças (CDC).

Os investigadores analisaram estatísticas de 2013-2014 procedentes de três programas de vigilância de nascimentos com defeitos congênitos nos estados de Massachusetts, Carolina do Norte e Geórgia para estabelecer uma referência em relação ao início da epidemia de zika.

As más-formações mais frequentes relacionadas ao zika são as anomalias do cérebro (55% dos casos), ou a microcefalia (89%).

Entre as mulheres infectadas, o vírus também é responsável por 48% dos abortos involuntários e por 66% de nascimentos prematuros.

Outros dados mostram que o risco mais elevado para o feto é quando a mãe é infectada pelo zika no primeiro trimestre da gravidez e no início do segundo trimestre, indicou o CDC. A instituição ressalta, porém, que realmente não há período sem perigo em toda a gestação.

O CDC reiterou suas recomendações às grávidas nos Estados Unidos de evitar viajar aos países onde a transmissão do vírus através de mosquitos está ativa e o contato sexual com parceiros que visitaram essas zonas.

(AFP)