Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Más-formações congênitas ligadas ao zika são 20 vezes mais frequentes

© Fondation Sainte-Geneviève

© Fondation Sainte-Geneviève

Agências de Notícias - publicado em 03/03/17

Dados mostram que o risco mais elevado para o feto é quando a mãe é infectada pelo zika no primeiro trimestre da gravidez

As más-formações congênitas vinculadas ao vírus do zika são 20 vezes mais frequentes em relação ao período anterior à epidemia que atingiu o continente americano entre 2015 e 2016 – de acordo com um estudo divulgado nesta quinta-feira (2).

O estudo publicado pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos constatou, em três nascimentos de cada mil entre 2013-2014 e em anos anteriores, as más-formações do cérebro, a microcefalia, deformações do tubo neural e outras anomalias cerebrais, ou dos olhos.

Em 2016, porém, era perto de 6% a proporção de bebês nascidos com esse tipo de anomalia, cuja mãe grávida tenha sido infectada pelo zika. Isso corresponde a cerca de 60 nascimentos em cada mil afetados pelo vírus, indicou o Centro de Controle e de Prevenção de Doenças (CDC).

Os investigadores analisaram estatísticas de 2013-2014 procedentes de três programas de vigilância de nascimentos com defeitos congênitos nos estados de Massachusetts, Carolina do Norte e Geórgia para estabelecer uma referência em relação ao início da epidemia de zika.

As más-formações mais frequentes relacionadas ao zika são as anomalias do cérebro (55% dos casos), ou a microcefalia (89%).

Entre as mulheres infectadas, o vírus também é responsável por 48% dos abortos involuntários e por 66% de nascimentos prematuros.

Outros dados mostram que o risco mais elevado para o feto é quando a mãe é infectada pelo zika no primeiro trimestre da gravidez e no início do segundo trimestre, indicou o CDC. A instituição ressalta, porém, que realmente não há período sem perigo em toda a gestação.

O CDC reiterou suas recomendações às grávidas nos Estados Unidos de evitar viajar aos países onde a transmissão do vírus através de mosquitos está ativa e o contato sexual com parceiros que visitaram essas zonas.

(AFP)

Tags:
DoençaMundoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia