Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A perseguição religiosa mais terrível da história – não, não é a Inquisição Espanhola

Compartilhar

Investigações jornalísticas aprofundam capítulo terrível (e muito pouco falado) da trajetória do Império Britânico

A perseguição religiosa, infelizmente, é uma vergonha comum a todos os países e confissões. Não há Estado que possa gabar-se de inocência nem religião que não tenha tido em sua história um período controverso e, para dizer o mínimo, embaraçoso. Quando olhamos friamente para a história, todos precisam pedir perdão.

No imaginário popular, a Inquisição Espanhola se tornou sinônimo de perseguição religiosa “por excelência”: essa ideia parte de um núcleo de verdade, mas é alimentada e exagerada por lendas negras propositalmente divulgadas contra a Igreja, conforme se pode observar nesta análise, nesta obra de um estudioso não católico e até mesmo nesta reportagem da respeitada (e laica) rede britânica de televisão BBC. A Inquisição foi cruel num grau menos extremo do que as pessoas costumam imaginar (e do que os professores anticlericais costumam “ensinar”), mas, ainda assim, foi cruel – e levou o Papa São João Paulo II a fazer um apreciado pedido de desculpas pelos erros históricos de filhos da Igreja.

A Inquisição Espanhola, no entanto, não é a “caça às bruxas” mais feroz da história cristã europeia. Católicos foram queimados e perseguidos na França e em outros países do continente, mas nada comparável à chocante e “silenciosa” perseguição perpetrada durante os reinados de Henrique VIII e Elizabeth Tudor a partir do cisma anglicano.

Um dedicado aprofundamento histórico realizado pelo jornal espanhol ABC vem apontando a brutalidade dessa repressão. As investigações levantaram, por exemplo, o início da repressão em 1534 e o quanto foi rápido o martírio dos monges da cartuxa de Londres junto com seu prior, John Houghton. “Eles foram enforcados e mutilados na Praça Tyburn como advertência contra uma ordem caracterizada pela austeridade e pela simplicidade“.

Em 1537 uma rebelião católica contra o rei levou à sentença de morte de 216 leigos, 6 abades, 38 monges e 16 sacerdotes.

Mais tarde, Maria Tudor ainda se tornaria a “Rainha sanguinária” – e não daria trégua sequer aos próprios anglicanos, que foram as maiores vítimas da vez. O poder e a utilização interessada ​​da religião fariam o resto. Conforme apontado no estudo do ABC, foram executados por “heresia” quase 300 homens e mulheres entre fevereiro de 1555 e novembro de 1558. Muitos eram “inimigos de infância”.

Depois da Maria Tudor, subiu ao trono Elizabeth I. As coisas se acalmariam? Pelo contrário. É então quando começa realmente uma das fases mais terríveis do Império Britânico, marcada por uma das maiores perseguições religiosas de toda a História.

Ninguém estava a salvo: os católicos voltaram a ser os mais perseguidos, mas também sofreram os calvinistas, os quakers, os batistas, os luteranos, os congregacionistas e outros grupos religiosos.

Informações mais detalhadas podem ser conferidas diretamente no site do jornal ABC (em espanhol).

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.