Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Mais de 180.000 pessoas fugiram da zona oeste de Mossul

David Stanley / Flickr CC

Agências de Notícias - publicado em 20/03/17

Mais de 180.000 pessoas fugiram de suas casas na zona oeste de Mossul desde o início da operação das tropas iraquianas para retomar esta cidade das mãos do grupo extremista Estado Islâmico (EI), anunciou nesta segunda-feira o governo de Bagdá.

Entre os deslocados, 111.000 encontraram refúgio nos 17 acampamentos e centros de recepção instalados nos arredores de Mossul (norte do Iraque), informou o ministério de Migração e Deslocados em um comunicado.

Os demais civis conseguiram abrigo, de modo geral, nas casas de parentes.

As forças iraquianas, apoiadas pela coalizão internacional antijihadista liderada por Washington, iniciaram uma ampla ofensiva em 17 de outubro para reconquistar a segunda maior cidade do país.

Depois de expulsar os extremistas dos bairros da zona leste no fim de janeiro, a ofensiva para retomar a zona oeste da cidade teve início em 19 de fevereiro.

De acordo com a ONU, o número de deslocados pode voltar a aumentar com o avanço das tropas iraquianas por esta área de Mossul, onde já retomaram vários bairros e tentam romper as linhas de defesa dos jihadistas na parte antiga da cidade, um objetivo estratégico da batalha.

“As agências humanitárias se preparam para a possibilidade de que entre 300.000 e 320.000 civis a mais tentem fugir nas próximas semanas”, afirma um comunicado do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCAH) da ONU, enquanto o governo iraquiano afirma que pode receber outras 100.000 pessoas.

“A operação humanitária no oeste de Mossul é muito mais importante e complexa que no leste”, explica Lise Grande, coordenadora humanitária da ONU para o Iraque.

“A principal diferença é que milhares de famílias permaneceram em suas casas no leste, enquanto no oeste dezenas de milhares tentam fugir”, completa.

“Preparamos a operação de Mossul durante meses. Mas a verdade é que a crise está nos levando ao limite”, alerta.

Antes do EI conquistar Mossul em junho de 2014, a população da cidade era de dois milhões de habitantes.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia