Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Devo permitir que meus filhos assistam ao novo filme “A Bela e a Fera”?

Juan Orellana - publicado em 21/03/17

Um filme da Disney que vem rodeado de polêmica. Será que ele é mesmo feminista e fomenta a ideologia de gênero?

A Disney está lançando a enésima adaptação do clássico de Gabrielle Bardot de Villeneuve (1740) e Jeanne-Marie Leprince de Beaumont (1756), embora esta seja, na realidade, um remake do filme de animação que a própria Disney rodou em 1991.

Duas polêmicas rodeiam a estreia da versão musical em imagens reais de “A Bela e a Fera”: sua suposta natureza feminista e a descrição da ideologia de gênero. Discutível a primeira polêmica e indiscutível a segunda.

A Disney parece querer mudar a imagem de sua marca. Dá a impressão de que já não quer seguir representando a família clássica americana, de costumes tradicionais e pensamentos bem mais conservadores.  Parece que a empresa pretende somar-se à cultura hegemônica, que incorpora a ideologia de gênero como seu pilar fundamental. Somente assim dá pra entender que um filme dirigido fundamentalmente ao público familiar e infantil inclua uma sub-trama gay, embora atinja um personagem secundário, LeFou, e que se resolva numa breve cena no fim do filme.

Mas a cena não passa despercebida, nem dá pra pensar que ela está lá por acaso. Tirando isso, o musical não acrescenta nada de novo à história clássica. E mais: no princípio falaram que a versão seria muito feminista, mas não é, já que inclusive a militante da causa, Emma Watson (Bela) acaba disfarçada de princesa Disney, um ícone aparentemente “machista” da fábrica. Em dado momento, ela fala: “Eu não sou uma princesa”, mas sua posição de mulher livre que decide quem amar já não seria compatível com a personagem de 25 anos atrás.

O que é certo é que a Fera desta versão anda com pouco testosterona e é muito mais sensível e menos “fera” do que nas versões anteriores. Mas não há uma significativa mudança de papel. De qualquer forma, nenhum destes traços deve nos espantar, já que o produtor escolhido pela Disney para levar adiante este projeto é nada menos que Bill Condon, assumidamente gay, diretor de “Kinsey” (2004) e “Deuses e Monstros” (1998), entre muitos outros filmes.

No fim, a mensagem essencial de “A Bela e a Fera”, mantém-se intacta: a necessidade de aprender a olhar no interior do outro, onde mora a sua beleza, muito mais além de preconceitos e aparências. A trama gay é a questão que até agora a Disney não tinha mostrado, pelo menos de forma explícita. Em diversos países, foi solicitada a proibição da exibição do filme ou sua classificação para maiores de 18 anos.

A solução é educar nossas crianças e jovens para a leitura crítica do cinema. Provavelmente, esta batalha seja mais inteligente e eficaz do que proibir filmes em uma sociedade plural. A melhor contribuição deste remake é Emma Watson, cujo brilho dá à personagem Bela a combinação de força e inocência necessárias. O resto, sendo sincero, não parece justificar um remake em imagens reais do conto famoso.

Tags:
CinemaEntretenimentoIdeologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia