Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconEstilo de vida
line break icon

Vamos falar sobre o suicídio?

Vanderlei de Lima - Igor Precinoti - publicado em 22/03/17

Na maioria das vezes, o indivíduo que tem ideias suicidas dá sinais dessa intenção; por isso é necessário ficar atento

A cada 40 segundos uma pessoa morre por suicídio em algum lugar do mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), ele é a segunda maior causa de mortes em jovens de 15 a 29 anos, e acredita-se que para cada adulto que põe fim à própria vida há mais de 20 que tentaram.

A OMS chegou a conclusões estatísticas de que nos países ricos o suicídio é uma das principais causas de mortes. Comprovou também que os homens se matam mais que as mulheres na proporção de 3 homens para cada mulher. Contudo, nas tentativas, as mulheres lideram: elas são 67% dos casos, ao passo que os homens totalizam 33%. Por faixa etária, os idosos se suicidam mais, porém os jovens são aqueles que mais tentam por fim à vida.

Apesar desses números alarmantes, pouco se fala sobre o tema. Muitos acreditam que falar seja ruim, pois em vez de combatê-lo, encorajaria as pessoas a praticarem esse ato infeliz. Porém, a nosso ver, o silêncio da sociedade pode ser pior, dado que a maioria das pessoas com pensamentos suicidas não tem com quem conversar ou falar abertamente, e tratar do tema permite que eles contemplem outras soluções para seus problemas dando tempo de repensarem suas decisões.

O comportamento suicida é – importa dizer – uma desordem com origem múltipla e ocorre em pessoas que estão profundamente infelizes, talvez passando por momentos de ansiedade, depressão, desesperança e que acreditam não haver outra opção. Vários fatores influenciam neste comportamento como doenças graves, problemas psiquiátricos, problemas sócio-familiares (separações, isolamento, perda de emprego etc.).

Desta forma, não se pode acreditar que os pensamentos e o comportamento suicida ocorram somente nas pessoas com “doenças mentais”. Na maioria das vezes, o indivíduo que tem ideias suicidas dá sinais dessa intenção. Ele fala coisas como “não aguento mais” ou “quero morrer”, por isso é necessário ficar atento a essas falas e alarmes, pois o suicídio pode ser prevenido, e todas as pessoas que apresentam sinais de comportamento suicida não podem ficar ignoradas, mas devem, sim, ser encaminhados a um serviço médico e psicológico.

Feito todas essas considerações, é necessário ressaltar que temos em mãos um importante instrumento para o combate e a prevenção do suicídio: a religião. Um estudo publicado em 2004, na American Journal of Psychiatry, a avaliar pessoas com depressão, demonstrou que homens e mulheres sem nenhum vínculo religioso tiveram mais tentativas de suicídio ao longo da vida. O estudo também revelou que os indivíduos sem religião apresentavam menos objeções morais para o suicídio e menos razões para viver, além de comportamentos mais impulsivos e agressivos. Daí, o estudo concluir que ter uma religião poderia ser fator protetor contra tentativas ou concretização de suicídio. A partir desse dado, duas considerações podem ser feitas:

1) É preciso não descuidar, mas auxiliar na caridade as pessoas que pedem ajuda diante do propósito de tirar a própria vida. Pensamos, ademais, que toca aos sacerdotes e profissionais da saúde atender com paciência a quem os procura com o intento de se suicidar, buscando ajudá-los a superar esse intuito mórbido, bem como apoiar os solitários a fim de não sucumbirem ante os embates da vida.

2) Em um mundo secularizado como o nosso, faz-se urgente lembrar às pessoas os verdadeiros valores morais dentre os quais o que ensina que, objetivamente falando, o ato de tirar a própria vida é pecado grave a levar o suicida ao risco iminente da perdição eterna, embora, do ponto de vista subjetivo, ninguém possa afirmar quem se salva ou se condena, dado que a justiça e a misericórdia de Deus nos são insondáveis, bem como e é difícil saber o estado psíquico, atenuante de culpa, de quem comete esse desatino (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 2280-2283).

É necessário, pois, falar do suicídio, não para fomentá-lo, é evidente, mas, sim, para combatê-lo com todos os meios lícitos, na teoria e na prática.Hoje e sempre.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Tags:
DepressãoEstresseMorteSaúdeSuicídio

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia